terça-feira, 30 de abril de 2013

Estação Ferroviária, Carioca, Silva Freire.

Fonte: http://histurbana.blogspot.com.br/

undada em 1923 na cidade do Rio de Janeiro, a estação Silva Freire localizada entre as estações do Méier e do Engenho Novo atende aos trens semi-diretos com destinos a Central do Brasil, Japeri e Santa Cruz. Na década de 1960 a estação chegou a ser desativada, sua obra de reforma para reativar foi retomada anos mais tarde e reinaugurada em março de 2012. Sua reativação foi importante como forma de melhorar o fluxo das estações do Engenho Novo e do Méier e reduzir a transferência entre os trens paradores que realizam paradas nas estações do Méier e os trens semi-diretos que circulam na Estação do Engenho de Dentro. Esta estação atende um dos pontos do bairros do Méier, em frente a estação foi construído um Restaurante Popular como forma de atrair os clientes da Supervia (Companhia que administra os trens urbanos do Rio de Janeiro) para a Estação Silva Freire.


domingo, 28 de abril de 2013

Novo Renault Master


Fonte: http://transportemundial.terra.com.br

Ao comemorar pouco mais de 10 anos de chegada ao Brasil, a Renault lançou a nova geração do utilitário Master, um europeu adaptado pela engenharia da Renault brasileira e fabricado em São José dos Pinhais (PR). Em sua categoria, a Master já é o segundo furgão mais vendido do Brasil, atrás apenas do Fiat Ducato. Ele, como o Iveco Daily, Ford Transit e Mercedes-Benz Sprinter, após este lançamento, fica atualizado com as gerações mais modernas vendidas em mercados exigentes como o europeu. No mercado brasileiro, apenas as famíias Fiat Ducato/Citroën Jumper/ Peugeot Boxer estão defasadas.

A nova Master 2014 chega para brigar no segmento de comerciais leves com 3 500 kg de peso bruto total, muito mais robusto e espaçoso, contando com as versões Furgão, Minibus, Chassi-cabine e Vitré, abrangendo 12 modelos e 10 opções de transformações, totalizando mais de 70 opções para atender os mercados de cargas, passageiros e serviços especiais. 

Motorização

Com a mesma linha de design e conforto do seu campeão europeu, o utilitário incorpora um novo motor, o M9T turbodiesel 2.3 litros de 4 cilindros, 130 cavalos (3 500 rpm), com 31,6 kgfm (1 600 rpm) e 2,04 kgfm a mais de torque, ou seja, 15 cavalos mais potente que a versão anterior. Outra inovação é o GSI (Gear Shift Indicator) que informa através de setas luminosas no painel, quando se deve reduzir ou aumentar a marcha, possibilitando uma economia de até 5% no consumo de combustível. 

Preço

Os preços sugeridos partem de R$ 85 710 (Chassi-cabine), R$ 87 170 (furgão L1H1) e R$ 145 900 (Minibus Vip).


MAN mostra seus veículos militares.


Fonte: http://transportemundial.terra.com.br

Neste ano, a MAN Latin America tornou-se a maior fornecedora de caminhões para as forças armadas brasileira. Serão cerca de 3 000 caminhões este ano, enquanto as marcas Mercedes-Benz, Ford, Iveco e Agrale fornecerão juntas cerca de outras 2 000 unidades. Por isso, a MAN tem investido forte na adequação de seus produtos e até trouxe da Alemanha um MAN HX 77 8x8  (no Brasil rebatizado de MAN HX 32.444 8x8) para exposição na LAAD Defense & Segurity (feira equipamentos para as áreas militar, segurança pública e corporativa), realizada no Rio de Janeiro entre os dias 9 e 12 de abril.

O MAN HX 8x8, para uso exclusivo militar, depois da feira, será demonstrado aos militares da América do Sul, produzido pela RMMV (Rheinmetall MAN Military Vehicles - uma joint-venture entre a MAN e a empresa alemã Rheinmetall), é a primeria vez que uma unidade é apresentada no Brasil. Equipado com motor MAN D2066, de 440 cv, possui cabine blindada e, como maior diferencial, tem o chassi com exclusivo sistema de gancho que permite trocar os diferentes tipos de implementos, como tanques de combustível, transporte de tripulação e até lança-mísseis.

Outra destaque apresentado pela MAN é o VW Constellation 31.320 6x6 Militar 10 QT. A sigla 10 QT é de uso militar e significa que o caminhão pode transportar 10 toneladas em qualquer tipo de terreno. Esse modelo está em fase de testes pelo Centro de Avaliações do Exército (CAEX). Este modelo também pode transportar obuseiro (peça de artilharia similar a um canhão). O Constellation 6x6 pode transpor cursos dágua de até 1,5 metro, vencer rampas com 60% de inclinação e obstáculos com 30% de inclinação lateral. O veículo também foi aprovado em testes do Exército brasileiro e subiu um degrau com mais de 30 centímetros de altura. 

O desenvolvimento de caminhões militarizados pela MAN começou em 2004, com o VW Worker 15.210 4x4 5 QT, já homolado pelas Forças Armadas e com cerca de 1 200 unidades entregues desde 2007. Porém, até ser homologado, o modelo passou por diversos testes por mais de um ano e cerca de 34 000 km em operações reais do Exército.


Novo utilitário Marruá da Agrale.



A fabricante caxiense Agrale acaba de lançar a viatura Marruá AM 41 – VTNE 2 ½ toneladas, tração 4X4, para aplicaçõesmilitares. O novo veículo foi desenvolvido para atender às demandas das Forças Armadas, tanto no transporte de equipamentos, cargas e pessoal.

O Marruá AM 41 opera em qualquer tipo de terreno, transportando 5 000 quilos (carga + reboque). Destacam-se na nova viatura o amplo curso de suspensão, o privilegiado espaço interno da cabine, além do motor MWM de 165 cv e a caixa de transferência de dupla velocidade com acionamento no painel.

 Como a família de viaturas Agrale Marruá foi especialmente projetada para atender as necessidades do exército, sua fabricação segue com rigor as respecificações. Os veículos podem ser equipados com diversos aparelhos, para utilização em diferentes tipos de operações e serviços, garantindo missões bem sucedidas, a forças militares de diversos países, além do Brasil.


Metra testa super articulado fabricado pela Caio.


Operadora do Corredor Metropolitano de Ônibus ABD, que liga cidades do Grande ABC a São Paulo,experimenta articulado de 23 metros encarroçado pela Induscar Caio.



quinta-feira, 25 de abril de 2013

Prefeitura do Rio desmonta esquema de vans na Zona Sul.



A Coordenadoria Especial de Transporte Complementar da Prefeitura do Rio descobriu um esquema novo para driblar a proibição de circulação de vans na Zona Sul. Motoristas de transporte complementar mantinham contato com passageiros parados em pontos de ônibus, por intermédio de agenciadores. Esses agenciadores levavam os usuários do serviço até um ponto na Rua Cupertino Durão, no Leblon. Daí em diante, a viagem seguia no veículo pirata. Uma van descaracterizada foi flagrada na Cupertino. A operação da prefeitura teve o apoio do Serviço secreto da PM.

O delegado Cláudio Ferraz, coordenador das operações, conduziu o motorista para a 14 ª DP (Leblon), onde ele foi autuado por exercício ilegal da profissão. Ontem, durante mais uma operação de fiscalização da coordenadoria, 33 veículos – 31 vans e kombis, um ônibus e um taxi – foram apreendidos. As operações aconteceram nos bairros de Copacabana, Leopoldina, Bangu e Santa Cruz.

terça-feira, 23 de abril de 2013

sábado, 20 de abril de 2013

BRT TransOeste, techo Santa Cruz-Paciência, triste realidade.


Na mesma linha, duas realidades diferentes. Enquanto as estações do BRT Transoeste na Barra e Recreio funcionam iluminadas, limpas e com segurança, nos trechos de Santa Cruz a Paciência o cenário não é bem este.

Além do asfalto ser pior nas áreas das estações dos "primos pobres" do BRT, como Vila Paciência, Três Pontes, Cesarinho e Cesarão II, elas estão próximas a comunidades não pacificadas e com pouca segurança.


Até pessoas armadas circulam por perto. Funcionam com pouca iluminação, lâmpadas espaçadas e passarelas escuras.
O motivo alegado por empresa fornecedora da luz que não terminou o serviço nos pontos citados já inaugurados é um calote de cerca de R$ 850 mil da empreiteira responsável pelas obras no trecho que vai de Campo Grande a Santa Cruz, a Sanerio Engenharia, pelo trabalho já feito nas outras estações.

A Sanerio nega atraso no pagamento e diz que as obras dos empreiteiros apresentaram problemas. De acordo com a empreiteira, ela teria recebido R$ 84 milhões da Prefeitura do Rio para fazer o trecho, que vai de Campo Grande até Santa Cruz.

Outras fornecedoras do BRT Transoeste também afirmaram que não vão dar continuidade ao serviço “por não quererem trabalhar de graça”, como a responsável pelas portas automáticas, a Prime Portas Automáticas. 

A empresa diz que não entregará as 72 portas que faltam porque a Sanerio ainda não lhe pagou mais de R$ 1 milhão pelo o serviço feito em estações já inauguradas.

A empresa responsável pelo piso e parte elétrica, a Ms Damato Serviços, relata a mesma situação. Calcula uma pendência de R$ 200 mil por conta da empreiteira.

“Nem a empresa que fornece as quentinhas tem recebido em dia. Por isso, as obras foram paralisadas pelos vários fornecedores, que têm contas a pagar pelo material e funcionários utilizados nas obras”, disse um empresário que não quis se identificar.

A Sanerio, por meio de nota, negou que acumula qualquer dívida com as empresas citadas e que, pelo contrário, “as obras executadas pelos fornecedores registram problemas de finalização que precisam ser sanados” e os contratos ainda não se encerraram.

Porém, afirmou que “não há hipótese de interrupção das obras em função de pendências com fornecedores”.

A que fornece aço, por exemplo, já teria sido excluída. Além disso, diz que já entregou 15 das 30 estações previstas no contrato. As outra 13 estariam “semiprontas” e outras duas “em fase de construção”.

De acordo com a Secretaria Municipal de Obras, todas as estações da linha de Santa Cruz a Campo Grande devem ser entregues até o final deste semestre e informou que, caso a empreiteira descumpra o contrato, ela poderá ser penalizada com as sanções previstas na legislação.

Além disso, afirmou que problemas comerciais entre empresas e seus subfornecedores não são de responsabilidade da Prefeitura do Rio.

No citdo trecho a estação só tem iluminação na cabine e no letreiro, prejudicando a circulação de passageiros que usam o meio de transporte | Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia


Na Barra da Tijuca, estação está bem iluminada e o entorno também, o que facilita o acesso dos passageiros mesmo durante a noite | Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia

sexta-feira, 19 de abril de 2013

TransLitorânea é flagrada rodando com ônibus sem vistoria e até suspenso pela SMTR.



Sem vans, a Zona Sul recebeu um aumento de 750 ônibus. Diante da pressão de atender a demanda da população, as viações colocaram muitos veículos “piratões” nas ruas. Ônibus que não podiam estar circulando. Nos últimos dois dias, o EXTRA constatou várias irregularidades: veículos com licenciamento de 2011, alguns sem pagamento de seguro DPVAT; ônibus suspensos no cadastro da Secretaria municipal de Transportes e que deveriam estar recolhidos; e alguns carros com tacógrafos sem aferição. Uma festa.

Dos 20 ônibus fiscalizados pelo EXTRA, pelo menos seis não podiam estar nas ruas, por estarem suspensos ou com o licenciamento vencido. Fora outros problemas que não proíbem a circulação, mas são sérios, tais como a exigência do tacógrafo aferido e o pagamento do seguro DPVAT.

Há ainda os campeões de multas que foram para as ruas da Zona Sul. Além de estar com o licenciamento vencido desde 2011, de não ter quitado o IPVA dos últimos três anos e contar com pendências no cadastro da Secretaria municipal de Transportes (o ônibus não tem seguro DPVAT pago), um carro da linha 308 (Central- Barra da Tijuca) rodava pelas ruas da Zona Sul carregando um indigesto peso: desde 6 de janeiro de 2012 acumula 115 multas. No site do Bradesco, 68 são registradas como vencidas. A placa é a KOO 8936. Fora o tacógrafo, jamais aferido. Só no mês de abril, foram sete multas — três por excesso de velocidade.

Um outro ônibus — placa é a LQB 6893 — também está com vistoria atrasada desde 2011 foi flagrado circulando na Zona Sul com 114 multas recebidas desde março de 2012. No cadastro da Secretaria de Transportes, a situação cadastral dele consta como “suspenso”.

— Quando suspende um carro, é porque a fiscalização encontrou alguma coisa. Consta a suspensão no cadastro até a regularização — diz o secretário municipal de Transportes, Carlos Osório.

O secretário municipal de Transportes, Carlos Osório, prometeu intensificar, nesta quinta-feira, a fiscalização contra ônibus que não podem circular. Ele também anunciou outras medidas para tornar o sistema de transportes na Zona Sul mais organizado:

— Na Rocinha e na Zona Sul, a grande maioria da população não tinha bilhete único. São pessoas que usavam muito o serviço das vans. Depois que houver a licitação deste tipo de transporte (no Vidigal e na Rocinha), o bilhete único poderá ser usado também nas vans. Mas já determinamos à Rio Ônibus que coloque pontos de atendimento para o bilhete único na Rocinha e no Vidigal — disse Osório.

Ele diz que, se o ônibus for pirata, não vai poder circular. Segundo Osório, a situação na região foi regularizada. A tendência é que a secretaria volte a permitir que as empresas usem entre 80% e 100% da frota nas linhas que só rodam na Zona Sul.

A Rio ônibus informou que a entidade defende a legalidade e o cumprimento das determinações legais e, “a rigor, ela não opera ônibus, mas apoia uma série de iniciativas voltadas para a melhoria da mobilidade e das condições de operação”.

domingo, 14 de abril de 2013

Ônibus da Transportadora Tinguá tomba e fere 29 pessoas.


Um ônibus da Transportadora Tinguá capotou por volta das 7h30 na manhã deste domingo, após perder o controle em uma curva no Trevo das Margaridas, na altura de Irajá.  De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Militar, 29 pessoas, que estavam no veículo no momento da colisão, ficaram feridas e foram encaminhadas para os hospitais estaduais Carlos Chagas, Getúlio Vargas e Albert Schweitzer.
Segundo a assessoria dos bombeiros, após a batida, o coletivo tombou. Agentes de dois quarteis foram acionados para prestar socorro às vítimas. O acidente aconteceu na pista lateral da Avenida Brasil, sentido Centro, que chegou a ficar interditada, mas já foi liberada. O motorista do carro fugiu e o trânsito no local já foi liberado.

Encaminhados para o Hospital Estadual Albert Schweitzer
1- Marilene G. de Souza – 46 anos
2- Willian C. Valentim – 30 anos
3- Maria Lurdes da S. Granjeiro – 52 anos
4- Cleiton de S. Nascimento – 26 anos
5- Marcos Henrique B. – 37 anos
6- Maria Aparecida P. – 55 anos
7- Hugo Felipe P. de Moraes – 19 anos
8- Mônica Wheller Porfírio X. Teixeira – 42 anos
9- Sônia Regina B. da Costa – 52 anos
Encaminhados para o Hospital Estadual Carlos Chagas
1- Marcos da S. Monteiro – 34 anos
2- Cláudio Enéas P. - 50 anos
3- Leonardo Branca L. - 28 anos
4- Nilza G. – 39 anos
5- Adailzo Henrique da S. – 52 anos
6- Leonardo F. da Silva -
7- Ana Paula dos S. - 48 anos
8- Wellington de Jesus S. – 32 anos
9- Adriana L. da Silva – 35 anos
10- Paulo D. Faria – 47 anos
11 - Alexandre dos S. Cerqueira – 39 anos
12 - Valmir T. – 32 anos
Encaminhados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas
1- Jaqueline B. Tady – 32 anos
2- Vanessa dos Santos Paes J. Aymoré – 25 anos
3- Adriana F. Sales – 38 anos
4- Elizabeth T. Moreira – 34 anos
5- Fernanda de A. Barros – 30 anos
Encaminhadas para o Hospital Estadual Carlos Chagas
1 - Vinícius S. de Moraes - 22 anos
2 - Paulo M. - 64 anos
3 - Sérgio M. Garcia - 44 anos

Os veículos da foto podem não ter ligação direta com o fato noticiado.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

SMTR multa a Transportes Paranapuan em R$ 117.000,00.


A Secretaria de Transportes informou nesta quinta-feira que multou o consórcio Internorte e sua consorciada Paranapuan em R$117.883,55 por infrações ao código disciplinar da SMTR e ao contrato de concessão. Desse valor, R$106.371,55 correspondem a irregularidades com a frota e R$11.512 por atraso na vistoria do Detran. Além disso, na última semana, os fiscais da SMTR apreenderam dez ônibus da Paranapuam por irregularidades diversas relativas à documentação e conservação dos veículos. 
As multas foram expedidas após a notificação formal, publicada no Diário Oficial do Município da ultima segunda-feira, que exigia do consórcio Internorte e da Paranapuan, providências em relação às irregularidades apontadas contra a empresa.
A SMTR determinou ainda que a Paranapuan regularize a documentação de sua frota junto ao Detran num prazo máximo de 30 dias. Caso essa determinação não seja cumprida, a prefeitura aplicará as sanções contratuais cabíveis o que poderá resultar, inclusive, na cassação da permissão da empresa operar no sistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro.
Foto do veículo acidentado:

Fotos históricas da tradicional empresa insular:

Prefeitura do Rio de Janeiro proíbe circulação de vans na Zona Sul.

Fonte: http://odia.ig.com.br
O prefeito Eduardo Paes assinou nesta quarta-feira um decreto proibindo a circulação de vans, kombis e micro-ônibus que realizam o transporte complementar de passageiros na Zona Sul da cidade. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Rio nesta quinta.
Os veículos estão proibidos de circular nos bairros de Botafogo, Humaitá, Urca, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea, Vidigal, São Conrado e Rocinha.

Ficam excluídos da proibição os veículos cadastrados que operam nos bairros da Rocinha e do Vidigal nas linhas Parque da Cidade - Gávea e Parque da Cidade - Fashion Mall.

I - PARQUE DA CIDADE X GÁVEA (VIA FASHION MALL) CIRCULAR - Estrada da Gávea (próximo à Rua Tenente Francisco Mega), Estrada da Gávea, Auto Estrada Lagoa – Barra (pista sentido Barra da Tijuca), Retorno próximo à Estrada do Joá, Auto Estrada Lagoa – Barra (pista sentido Lagoa), Auto Estrada Lagoa – Barra, Rua Engenheiro Amandino de Carvalho, Avenida Prefeito Mendes de Moraes, Avenida Niemeyer, Avenida Delfim Moreira, Avenida Epitácio Pessoa, Avenida Borges de Medeiros, Rua Gilberto Cardoso, Praça Nossa Senhora Auxiliadora, Rua Mário Ribeiro, Avenida Bartolomeu Mitre, Rua Marquês de São Vicente, Estrada da Gávea, Estrada da Gávea (próximo à Rua Tenente Francisco Mega).

II - PARQUE DA CIDADE X FASHION MALL (VIA GÁVEA) CIRCULAR - Estrada da Gávea (próximo à Rua Tenente Francisco Mega), Estrada da Gávea, Rua Cedro, Rua Mary Pessoa, Rua Marquês de São Vicente, Rua Arthur Araripe, Rua Padre Leonel Franca, Retorno sob a pista da Auto Estrada Lagoa – Barra, Avenida Padre Leonel Franca, Rua Mário Ribeiro, Avenida Borges de Medeiros, Avenida Delfim Moreira, Avenida Visconde de Albuquerque, Avenida Niemeyer, Largo da Macumba, Estrada da Gávea, Rua Cedro, Rua Mary Pessoa, Estrada da Gávea, Estrada da Gávea (próximo à Rua Tenente Francisco Mega).

A medida entra em vigor nesta segunda-feira.
A violência extrema envolvendo uma turista norte-americana estuprada dentro de uma van fez com que o prefeito decretasse a proibição do uso de película nos vidros destes veículos no último dia 5.
O decreto chama a atenção para a falta de visibilidade provocada pelo material, o que comprometeria a segurança dos passageiros. De acordo com a Prefeitura, quem desrespeitar a regra será multado em R$ 1.251,48 e terá o veículo lacrado.
A proibição se refere a veículos regulamentados pelo Transporte Especial Complementar - TEC e pelo Sistema de Transporte Público Local - STPL (VAN). A Secretaria Municipal de Transporte (SMTR) deverá publicar resolução que adeque aos códigos disciplinares dos modais que viole a proibição. 

Nas zonas de interceptação os fiscais já estão orientados a apreender o veículo e multar os condutores. Além da Coordenadoria Especial de Transporte Complementar, a força tarefa, composta por 300 homens, contará com o apoio de agentes da Guarda Municipal, Polícia Militar, CET-Rio e Secretaria Municipal de Transportes. Mais de cinquenta reboques estarão à disposição da coordenadoria.

As operações se estenderão também para a região da Rocinha, em São Conrado, do Itanhangá, na Barra da Tijuca, no Centro da cidade e na Leopoldina. Nesses locais equipes vão orientar os motoristas de Vans e usuários sobre a melhor maneira de pegar outra condução para seguirem seus destinos.  Os motoristas que poderão circular pelas duas linhas acima informadas, também serão avisados sobre o ponto em que deverão retornar. 


Na cidade do Rio de Janeiro, ônibus comum com ar condicionado passará a ter tarifa modal.


Os ônibus convencionais com ar-condicionado terão a mesma tarifa dos comuns e passarão a aceitar o Bilhete Único Carioca. As medidas passarão a valer quando for aplicado o próximo reajuste da passagem, provavelmente em junho.


O aumento, a ser calculado com base em índice da Fundação Getúlio Vargas, ficará maior do que o previsto para janeiro passado, adiado a pedido do governo federal.

A passagem deveria ter ido de R$ 2,75 para R$ 2,90 como forma de compensar a inflação de 2012: a nova tarifa também levará em conta a variação de preços desde o início do ano.


Mesmo com o reajuste, a redução será significativa: passagens em ônibus com ar custam entre R$ 3,10 e R$ 5,40. Quem tiver o Bilhete Único também poderá pegar outra condução sem pagar uma nova tarifa. Os ‘frescões’ continuarão com preços diferentes. 

Eduardo Paes determinou que, até o fim de 2013, ônibus com ar passem de 8% para 15% do total. A cada ano, outros 15% deverão ter o equipamento. Mas a meta de refrigerar 100% da frota até 2016 não deverá ser atingida.

Na prática essa mudança vai afetar mais diretamente a Real Auto Ônibus, a Transportes São Silvestre, a Viação Redentor, a Viação Vila Isabel e a Transportes Estrela Azul, pois são as empresas que mais tem ônibus convencionais com ar condicionado eu suas frotas. Já na Zona Oeste, Consórcio Santa Cruz, somente a Auto Viação Bangu e a Expresso Pégaso devem ser afetadas, pois é a únicas que ainda operam esse tipo de serviço, em linhas comuns.




Andorinha Rio tem ônibus apreendidos e lacrados.


Nesta quarta-feira a Prefeitura do Rio fez inspeção na garagem da Viação Andorinha Rio, e na vistoria dez ônibus foram tirados de circulação, quatro lacrados e a empresa recebeu 14 multas por irregularidades. As denúncias foram feitas por passageiros e motoristas em reportagem na edição desta quarta-feira do DIA.


Diversas linhas da empresa, que também administra a Rio Rotas, operam em condições precárias e sem documentos de vistoria. Foram constatados pneus carecas e rachaduras no teto permitindo que chuva caia no motorista, entre outros problemas.
De acordo com o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, já estava em andamento uma apuração sobre problemas na empresa.

“Li a matéria e a prefeitura considerou inadmissível e intolerável. Juntamos as informações do jornal com outras denúncias e retiramos para vistoria 10 veículos, todos da linha 790 (Cascadura/Campo Grande), confirmando as irregularidades.


Aplicamos 14 multas, um veículo foi definitivamente removido por vistoria vencida no Detran e outros três veículos lacrados por infrações gravíssimas, e mais um rebocado. Notifiquei o consórcio que administra as empresas informando que não vamos tolerar este tipo de coisa. A fiscalização será intensificada”, disse. Ele acrescentou que nos três primeiros meses deste ano, já foram deflagradas 593 ações de fiscalização.



Mudado o traçado da TransOlímpica em Magalhães Bastos.



O projeto inicial do BRT TransOlímpica previa a desapropriação de 2 mil casas em Magalhães Bastos. Na época, a Prefeitura pediu ao Exército, que detém vários terrenos na região, o empréstimo de algumas áreas para a evolução do corredor até o viaduto do bairro.

O pedido foi parcialmente aceito e o que ficou de fora foi um trecho, ao lado de um conjunto residencial militar. “O Exército não abriu mão de uma parte do terreno e, por isso, 100 casas terão que ser desapropriadas”, explicou o prefeito Eduardo Paes.

De acordo com a secretaria municipal de Obras, o trecho de desapropriação em Magalhães Bastos é equivalente a dois quarteirões. As notificações serão divulgadas no Diário Oficial nas próximas semanas.

Com a saída de 100 casas, chega a 2.500 o número de desapropriações da Transcarioca e TransOlímpica, até agora. No BRT Transoeste, a prefeitura gastou R$ 18 milhões com a saída de 70 casas.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Ônibus da Andorinha, D59299, roda com rachadura no teto.


  A circulação de ônibus depreciados passou a preocupar ainda mais os passageiros após o acidente que deixou sete mortos no dia 2 de abril, quando um ônibus caiu de um viaduto sobre a Avenida Brasil, no acesso à Ilha do Governador.

Além dos problemas apresentados nos veículos da Paranapuan, que está na mira do Ministério Público, O DIA constatou problemas que afetam outras empresas. Não é preciso muito tempo para verificar que grande parte das frotas da Empresa Algarve, Expresso Pégaso, Viação Andorinha e da Rio Rotas, por exemplo, também apresentam cenário arriscado.


Os carros com numeração entre 292 e 299, que fazem a linha 790 (Cascadura/Campo Grande) estão circulando sem o documento obrigatório de vistoria, que deveria estar dentro de um compartimento plástico ao lado do motorista. “Estamos circulando há mais de um ano sem o documento”, admitiu um motorista, que está apreensivo.  

Outras linhas, como a 926 (Senador Camará/Penha), estão com bancos rasgados, pneus carecas, instalações elétricas danificadas e expostas, eixos de molas quebrados, vidros, tetos e paredes rachadas, além de problemas mecânicos decorrentes da falta de óleo hidráulico e outros itens essenciais à manutenção dos carros, segundo os próprios condutores.

A Viação Andorinha, que administra a Rio Rotas, comunicou que não havia nenhum responsável disponível para prestar esclarecimentos.

“Da mesma maneira que eles não irão falar com vocês, não falam conosco também. Disse que o teto estava rachado e que, nos dias de chuva, eu preciso dirigir abrindo um guarda-chuva, mas eles riram e não fizeram nada”, denúncia um dos motoristas.

Para a aposentada Maria Aparecida, 62 anos, no começo o problema era visto com ironia, até quando o ônibus que a transportava para a Barra bateu.

“A gente ria, até que o veículo bateu num poste enquanto o motorista tentava limpar os olhos da água que escorria do teto em seu rosto”, disse ela.



terça-feira, 2 de abril de 2013

Ônibus da Paranapuã cai do viaduto de saída da Ilha, sobre Av. Brasil.


Fontes parciais: http://g1.globo.com , http://noticias.r7.com e http://odia.ig.com.br
O ônibus do tipo "micrão", número de ordem B10033, modelo Neobus Spectrum City, chassis VW, fabricado em 2007, da Transportes Paranapuã, do Consórcio InterNorte, que fazia a linha 328  Bananal-Castelo, caiu do Viaduto Brigadeiro Trompowski, ficando com as rodas para cima, sobre a pista lateral da Avenida Brasil, na altura da Ilha do Governador, por volta das 16h30' desta terça-feira 02/04, deixando mortos e feridos. 
Segundo o Centro de Operações da Prefeitura, equipes do Corpo de Bombeiros trabalham no local e fazem o resgate. De acordo com o Batalhão de Vias Especiais (BPVE), sete mortes estão confirmadas, sendo cinco homens e duas mulheres.
Três helicópteros dos bombeiros pararam na pista para fazer o resgate, fechando a Avenida Brasil no sentido Centro. Bombeiros dos Quartéis de Ramos, Benfica, Penha, Méier, Ilha do Fundão e Grupamento de Busca e Salvamento foram acionados. Os feridos estão sendo levados para o Hospital Geral de Bonsucesso, Getúlio Vargas e Souza Aguiar.
No mesmo horário, o tráfego era lento no sentido Centro da Avenida Brasil até a altura da Penha, no subúrbio. Segundo o Batalhão de vias especiais da PM, um helicóptero do Corpo de Bombeiros pousou na via interditada.
A empresa já vem atravessando fortes dificuldades financeiras, e assim não vem conseguindo renovar a sua frota, e este acidente, mesmo tendo sido causado por uma possível discussão entre o motorista e o passageiro, poder vir a ser a pá de cal na saúde financeira da mesma.