sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O belíssimo New Torino da Limousine Carioca.

Fonte: http://ocdholding.wordpress.com/

MARCOPOLO TORINO 2014, CHASSIS MERCEDES-BENZ OF-1721, EURO V, DA EMPRESA DE TRANSPORTES LIMOUSINE CARIOCA S.A. 

Comil inaugura nova fábrica em Lorena/SP.

Fonte: http://www.comilonibus.com.br/

fabricante de ônibus Comil é uma das principais montadoras de ônibus do Brasil. Com sede em Erechim (RS), produz modelos rodoviários, intermunicipais, urbanos, micro-ônibus e especiais que circulam em todo o Brasil e em mais de 30 países. Em 2013, a empresa registrou uma receita líquida superior a R$ 500 milhões.

No dia 14 de dezembro de 2013 a empresa inaugurou sua nova unidade industrial no município de Lorena/SP. Esta nova planta está dimensionada para a produção de 10 unidades de veículos urbanos por turno e a expectativa é que este nível de produção possa ser atingido no segundo semestre de 2014. A assinatura do protocolo de intenções foi feita no Palácio dos Bandeirantes no dia 24 de julho do ano passado e a planta entra em operação menos de um ano e meio depois desta data. 

“Esta fábrica tem uma importância estratégica relevante e, por isso, concentramos esforços para o cumprimento de cronogramas extremamente enxutos”, afirma Silvio Calegaro – CEO da Comil.

A unidade de Lorena foi planejada para produzir veículos urbanos com alta qualidade, equipada com sistema de manufatura inovador, o que a chancela como a mais moderna planta da América Latina para a produção de ônibus. 

“As características desta planta a tornam totalmente apta a atender o crescimento da demanda por ônibus até 2016, motivada por eventos importantes como a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas, que já estão exigindo melhorias no transporte de pessoas nas grandes cidades”, diz Calegaro.

A nova fábrica foi instalada em um terreno de 210 mil metros quadrados no Vale do Paraíba às margens da rodovia Presidente Dutra, demandou  investimento de R$ 110 milhões e vai gerar 500 empregos diretos e 1.000 indiretos. A unidade produzirá os modelos urbanos Svelto e Midi, atualmente montados na sede da Comil em Erechim. O ônibus número 1 saiu da linha de montagem no início de janeiro.

A qualificação da mão-de-obra local foi realizada pela Comil em parceria com o Senai de Lorena, para isso foram oferecidos cursos voltados para a preparação de novos funcionários, possibilitando o desenvolvimento profissional.

Com a nova operação, a Comil irá transferir praticamente toda a produção de ônibus urbanos da unidade de Erechim (RS) para Lorena e elevará em mais de 100% sua capacidade produtiva neste segmento. As linhas de rodoviários e de veículos urbanos mais complexos (BRT´s, por exemplo) continuarão sendo produzidas em Erechim. Com a transferência da maior parte da linha urbana para Lorena, o parque industrial de Erechim investirá no incremento de produção de carros rodoviários, direcionando sua mão-de-obra para dar foco neste segmento de mercado. 


domingo, 24 de agosto de 2014

Chegará um novo modelo de trem para as Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Fonte: http://odia.ig.com.br/

O ano em que o Rio sediará o maior evento esportivo do mundo, os Jogos Olímpicos, será também o da prova de fogo para o sistema ferroviário. Se tudo o que a SuperVia promete para 2016 sair efetivamente do papel, o estado passará a contar com um novo modelo de transporte de massa. Em dois anos, as viagens terão intervalos reduzidos pela metade, a frota dará um salto de 187 para 201 trens com ar-condicionado e seis estações serão reformadas nos padrões da atual Maracanã.

Hoje, O DIA inicia a série de quatro reportagens sobre a SuperVia, em que serão tratados os investimentos no sistema ferroviário, comércio ilegal nos vagões, monitoramento nas estações, multas e reclamações dos passageiros. A modernização do sistema de sinalização da linha férrea é o primeiro passo para atingir a mudança do transporte. O ATP (Automatic Train Protection, que em português significa sistema de proteção automática), adquirido no ano passado por R$ 150 milhões, garante a redução pela metade do intervalo de todas as viagens.

Hoje, o sistema já está implantado em Deodoro, mas seu uso efetivo só vai ocorrer quando a frota estiver modernizada. Ou seja, a partir de 2016, o trem que demora de 8 a 10 minutos para passar, chegará em 4 a 5 minutos. Os ramais de Japeri e Santa Cruz recebem o ATP até o fim deste ano, já Saracuruna e Belford Roxo, até abril de 2015. “Estamos iniciando um processo de transformação. O trem ainda não é o transporte mais adequado, mas em breve será”, afirma a secretária estadual de Transportes, Tatiana Vaz. 

Para atender aos padrões olímpicos, seis estações serão submetidas a intervenções drásticas. Todas receberão elevadores, novas rampas, plataformas e mezaninos. As obras, que seriam de responsabilidade da Secretaria Estadual de Transportes, passaram para as mãos da SuperVia na semana passada. A troca foi graças ao bônus de R$ 250 milhões conquistados pelo estado na compra de 90 novos trens em 2009 e 2011. Com esse valor em caixa, a secretaria resolveu comprar mais 10 trens, a serem licitados até o fim do ano, deixando para a concessionária, a reforma nas estações. 

O trunfo que abrilhantaria a transformação do sistema ferroviário em 2016 não será mais entregue. O projeto ousado que transformaria a Central do Brasil em um shopping foi embargado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico), no mês passado. O órgão alega que as intervenções não correspondem à preservação do bem tombado. Novas alternativas serão discutidas, mas ainda sem data para acontecer.

Outra prioridade que também estava prevista para o ano das Olimpíadas, mas não sairá do papel, é a reimplantação do trecho de Santa Cruz-Itaguaí, desativado desde 1980. Por conta da ocupação irregular de domicílios por três quilômetros da linha férrea, a concessionária alega que é impossível começar as obras. O governo estadual vai elaborar, a partir do ano que vem, um novo projeto com o desvio da rota.

De 2011 a 2013, cada passageiro representou para a SuperVia um investimento de R$ 1,82. A concessionária desembolsou R$ 800 milhões no transporte e atingiu a marca de 438.240 milhões de usuários neste período. O valor equivale a mais da metade da passagem dos trens, que na época era de R$ 2,90. Nos próximos sete anos, a meta é aplicar ainda mais R$ 1 bilhão. “Partimos de um cenário de total falta de investimento durante anos e já conseguimos um avanço histórico nos trens”, declara a secretária de Transportes. 

De acordo com o contrato de concessão em vigor, até 2015, as estações Central, Madureira, Nova Iguaçu, São Cristóvão, Campo Grande, Queimados, Méier, Gramacho, Bangu, Austin, Santa Cruz e Duque de Caxias têm que se enquadrar aos padrões de acessibilidade e comodidade. Atualmente, a única que passa por obras, iniciadas no início deste ano, é São Cristóvão. As demais continuam com estruturas precárias. Em contrapartida, a SuperVia alega que, em três anos, reformou 14 estações. Da lista escolhida pela concessionária, no entanto, nenhuma era considerada prioridade contratual até 2015.




quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Os únicos CAIO´s Millennium´s BRT do TransCarioca são da Paranapuan!

A Transportes Paranapuan conseguiu comprar 07 veículos Caio Millenium montados sobre chassis articulado da Mercedes-Benz para operação no corredor BRT TransCarioca, algo que para muitos parecia impossível de se concretizar, pois a empresa não comprava veículos novos para a sua frota já havia alguns anos.

Dizem que a Caio arriscou conceder esse financiamento pois nenhuma outra empresa, dos corredores BRT´s do Rio de Janeiro, se interessou em comprar a carroceria.


Nove linhas alimentadoras do TransCarioca começam a operar segunda, 25/08.

Fonte: http://brtrio.com

O Consórcio BRT promove, a partir da segunda-feira (25/08), mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus das regiões de Recreio, Jacarepaguá e Madureira. A medida cumpre o planejamento definido pela Secretaria Municipal de Transportes. 

Linhas da Litoral Rio Transportes:

Início da operação da linha alimentadora 816A (Capela – Tanque), em substiuição a 816 (Taquara – Hospital Cardoso Fontes), com integração ao BRT no Terminal Mestre Candeia, junto a estação Tanque.

Início da operação da linha alimentadora 690A (Méier - Madureira). em substituição a 690 (Méier – Alvorada via Madureira),  com integração ao BRT nos terminal Paulo da Portela, em Madureira.

Início da operação da linha alimentadora 890A (Tanque – Alvorada via Cidade de Deus), em subsituição a 690 (Méier – Alvorada via Madureira),  com integração ao BRT nos terminalis Mestre Candeia (junto a estação Tanque) e Alvorada.

Linha da Transportes Barra:

Início da operação da linha alimentadora 932A (Gardênia Azul – Tanque via Pau Ferro), em substituição a 732 (Gardênia Azul – Cascadura), com integração ao BRT no Terminal Mestre Candeia, junto a estação Tanque.

Linhas da Transportes Santa Maria:

Início da operação da linha alimentadora 810A (Pontal - Curicica), em substituição a 747 (Vargem Grande - Cascadura), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

Início da operação da linha alimentadora 809A (Curicica – Recreio via Vargem Grande), em substituição a 749 (Cascadura – Recreio via Vargem Grande), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

Início da operação da linha alimentadora 954A (Curicica – Recreio via Benvindo de Novaes), em substituição a 758SV (Cascadura – Recreio via Benvindo), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

Linha da Transportes Futuro:

Início da operação da linha alimentadora 875A (Praça Seca – Chácara circular), em substituição a 875 (Praça Seca - Chácara), com integração ao BRT na estação Praça Seca (Transcarioca).

Linha da Viação Redentor e Transurb:

Início da operação da linha alimentadora 991A (Taquara – Alvorada via Cidade de Deus), em substituição a 691 (Méier – Alvorada via Taquara), com integração ao BRT nos terminais Bandeira Brasil (Taquara) e Alvorada.

A criação das linhas alimentadoras dos corredores BRT segue a lógica de racionalização do sistema de ônibus no município. Linhas convencionais são extintas ou passam a ter seus itinerários reduzidos, tornando-se parte do Sistema BRT. Com isso, os passageiros passam menos tempo no trânsito comum e, após a integração com os corredores BRT ganham mais rapidez em seus deslocamentos. Os cortes de linhas convencionais acontecem de forma gradual. 

Portadores dos cartões Riocard, Vale Transporte, Bilhete Único (Estado) e Bilhete Único Carioca (Prefeitura) têm o benefício de fazer até três viagens (que incluam um BRT e uma linha alimentadora) pagando apenas uma passagem desde que as validações sejam feitas dentro de um período de duas horas e meia.

Promotores do Consórcio BRT estarão nas estações e principais pontos das linhas acima divulgando todas as mudanças para a população, com distribuição de folhetos explicativos. As novidades também estão nas redes sociais do BRT Rio, que atingem até 120 mil seguidores.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Detro dobra o tempo de vida útil dos ônibus intermunicipais

Fonte: http://odia.ig.com.br/

O governo estadual dobrou o tempo de vida útil dos ônibus intermunicipais da Região Metropolitana. A novidade foi publicada ontem, no Diário Oficial. A medida altera portaria em vigor desde 2009, que determinava que, a partir de 30 de junho deste ano, todos os coletivos que circulam entre os municípios do Grande Rio deveriam ter idade máxima de 5 anos. Agora, com a mudança, o limite passa a ser de 10 anos, desde que se tenha o certificado de segurança do Inmetro a partir dos 7 anos de uso. O motivo da decisão das autoridades foi a demora na licitação do sistema de transportes. 

Na prática, o que aconteceu foi que, quando se definiu a portaria 42.156 — que até ontem estava em vigor —, acreditava-se que, até junho, a licitação para as linhas intermunicipais teria ocorrido. Como isso não aconteceu, algumas empresas teriam, em breve, que mudar a frota para se adequar aos cinco anos da legislação. Segundo o diretor técnico-administrativo do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro), João Cassimiro, os empresários teriam de fazer essa mudança agora sem saber o que vai ser determinado no edital da concorrência pública.

“Não há garantia, com a licitação, de que a empresa (atual) vai ganhar ou não. Haveria um investimento de mudança da frota, que a gente nem sabe ainda qual será a modelagem do processo licitatório”, afirmou o diretor do Detro, ao ser questionado sobre a licitação para o sistema da Região Metropolitana, que inclui as linhas do Rio para Baixada, São Gonçalo e Niterói, por exemplo. 

Há mudanças, ainda, para as linhas que ligam as cidades do interior fluminense. Neste caso, de acordo com a portaria de ontem, vai ser admitida vida útil de até 15 anos, desde que a quantidade de veículos com idade superior a 10 não ultrapasse o percentual de 20% do total de carros com até 10 anos. 

Segundo o site da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio), a idade média da frota intermunicipal, em 2013, era de 4,2 anos. No mesmo período, os veículos da capital tinham 3,55 anos, sendo que o limite de idade é de 8 anos. A licitação do sistema intermunicipal está em estudo e não tem prazo para ocorrer, segundo a Secretaria Estadual da Casa Civil.

A licitação para concessões de linhas intermunicipais foi determinada, em setembro de 2013, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na época, o órgão determinou um ano para que a concorrência fosse feita. Neste mesmo prazo, as permissões antigas seriam revogadas. Quando a concorrência for feita, ela vai entrar num sistema que opera hoje com 110 empresas que circulam em 1,1 mil linhas e utiliza uma frota de 9.520 veículos. 

A realização de uma concorrência já foi prometida desde 2011. Quando o STJ decidiu pela exigência, o órgão atendia a um pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, que questionava o fato de, há 70 anos, o sistema não ter regularizado as concessões

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Quatro novas linhas alimentadoras do Transcarioca começam a operar dia 18/08/2014.

Fonte: Agência O Globo

A partir da próxima segunda-feira, quem utiliza os serviços do BRT Transcarioca contará com quatro novas linhas alimentadoras nas regiões de Jacarepaguá e Madureira. De acordo com o consórcio BRT, a medida faz parte de mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus. A medida cumpre o planejamento definido pela Secretaria Municipal de Transportes. 

Início da operação da linha alimentadora 815A (Boiúna - Taquara), em substituição a 761 (Boiúna - Madureira), com integração ao BRT no Terminal Taquara - Bandeira Brasil, junto à estação Taquara.

Início da operação da linha alimentadora 831A (Taquara - Colônia), em substituição a 762 (Madureira- Colônia), com integração ao BRT no Terminal Taquara - Bandeira Brasil, junto à estação Taquara.

Início da operação da linha alimentadora 963A (Santa Maria - Taquara), em substituição a 763 (Santa Maria - Madureira), com integração ao BRT no Terminal Taquara - Bandeira Brasil, junto à estação Taquara.

Início da operação da linha alimentadora 964A (Pau da Fome - Taquara via Meringuava), em substituição a 764 (Pau da Fome - Madureira), com integração ao BRT no Terminal Taquara - Bandeira Brasil, junto à estação Taquara.

O consórcio BRT informou que promotores estarão nas estações e nos principais pontos das linhas acima divulgando todas as mudanças para a população, com distribuição de folhetos explicativos.

Por Marcello Muniz: 

Todas as linhas acima pertenciam a Transportes Santa Maria, e muito provavelmente a novas alimentadoras serão operadas pela mesma empresa, com veículos já usados, repintados nas cores do padrão BRT, como na foto abaixo.

O grande absurdo é que para as linhas alimentadoras do BRT TransCarioca a Prefeitura está aceitando o uso de veículos sem ar condicionado, um verdadeiro retrocesso no serviço anteriormente anunciado.


quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Expresso Pégaso, Empresa Algarve e seus ônibus incendiários!

Até quando os moradores da Zona Oeste do Rio de Janeiro vão ser obrigados a sofrer com os péssimos serviços prestados por duas das operadoras de ônibus do Consórcio Santa Cruz, a Expresso Pégaso e a Empresa de Viação Algarve?

As empresas empregam em sua frota ônibus que estão entre os mais antigos da cidade, e muitos dos quais em péssimo estado de conservação. Como se não bastasse tal fato, as duas empresas tem seus veículos se envolvendo em acidentes rotineiramente e já de algum tempo para cá, muitos veículos das mesmas se incendeiam, em eventos que provavelmente se originam de panes, que devem ser originárias da precária manutenção.

Esperamos anciosos que a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro tome para com essas empresas, as mesmas medidas que vem tomando contra a TransLitorânea, City Rio e Santa Maria, em outros consórcios que operam na cidade.

Será que Zona Oeste não merece a mesma atenção?


quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Viação Redentor terá no Transcarioca o maior ônibus refrigerado do mundo.





Segundo informações ainda não confirmada são 05(cinco) unidades compradas, modelo Neobus MegaBRT, chassis Volvo.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Prefeitura amplia horários de serviço do BRT Transcarioca para Madureira

Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e Consórcio BRT, informa que o serviço Alvorada – Madureira (Terminal Paulo da Portela, integrado ao trem), passa a operar, a partir desta terça-feira (12/08), com os ônibus parador durante 24 horas e com o expresso de 5 às 23 horas. Os testes operacionais para a ampliação do expresso e parador foram feitos no fim de semana.

O trecho ampliado abrange as estações IPASE, Praça Seca, Capitão Menezes, Pinto Teles, Campinho e Paulo da Portela que funcionavam das 9h às 16h. O BRT Transcarioca, que já transporta 70 mil pessoas por dia, opera com três serviços: Galeão - Alvorada (Semi-direto), Madureira - Alvorada (Expresso), Madureira - Alvorada (Parador).

A Transcarioca liga a Barra da Tijuca à Ilha do Governador (Aeroporto do Galeão), sendo o primeiro corredor de alta capacidade no sentido transversal da cidade que já reduziu em 60% o tempo de viagem por ônibus no trecho. São 39 quilômetros de extensão, com 10 viadutos (sendo um estaiado), nove pontes (duas estaiadas), três mergulhões, 47 estações e cinco terminais, passando por 27 bairros como Curicica, Taquara, Tanque, Praça Seca, Campinho, Madureira, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila da Penha, Penha, Olaria e Ramos.

Segundo corredor exclusivo de ônibus, a Transcarioca vai transportar 320 mil passageiros por dia e fazer integração com a Estação de Metrô Vicente de Carvalho, estações de trem de Madureira e Olaria e com a Transoeste (no Terminal Alvorada). Futuramente haverá ainda pontos de integração com a Transolímpica e a Transbrasil.

A SMTR informa que os cortes de linhas convencionais vão acontecer de forma gradual. A estimativa é de que apenas a linha 701 seja cortada de imediato e as demais ao longo das próximas duas semanas. Ao mesmo tempo, serão implantadas as linhas alimentadoras, que vão garantir os deslocamentos até as estações.

O BRT Transcarioca já ultrapassou a marca de um milhão de passageiros transportados desde sua inauguração e deverá chegar aos 200 mil/dia ao final da implantação da segunda etapa. Desde a inauguração, em 2 de junho, o corredor apresentou um crescimento diário de passageiros na ordem de 7,75%. Só no primeiro mês de operação 402.501 pessoas foram transportadas, com média de 18.295 por estação. Vicente de Carvalho foi a que recebeu maior volume (66.520, no primeiro mês), fazendo a integração com o metrô.


Horário de funcionamento do BRT Transcarioca:


Galeão - Alvorada (Semi-direto)

Horário de funcionamento: 24h

Estações: Terminal Alvorada, Vicente de Carvalho, que integra com o metrô, Galeão - Tom Jobim 2 e Galeão - Tom Jobim 1.


Madureira - Alvorada (Expresso)

Horário de funcionamento: das 5h às 23h, de segunda a sábado
Estações: Terminal Alvorada, Rio 2, Santa Efigênia, Taquara e Tanque, Praça Seca, e Terminal Paulo da Portela, em Madureira.


Madureira - Alvorada (Parador)

Horário de funcionamento: 24h

Estações: Terminal Alvorada, Lourenço Jorge, Aeroporto Jacarepaguá, Via Parque, Centro Metropolitano, Hospital Sarah, Rio2, Pedro Correia, Curicica, Praça do Bandolim, Arroio Pavuna, Vila Sapê, Recanto das Palmeiras, Divina Providência, Merck, André Rocha, Taquara, Aracy Cabral e Tanque, Ipase, Praça Seca, Capitão Menezes, Pinto Teles, Campinho e Terminal Paulo da Portela, em Madureira.

domingo, 10 de agosto de 2014

Projetos de barcas para SG e trem até Itaguaí ainda estão longe de sair do papel.

Fonte: http://riodejaneiro.ig.com.br/

Obras de mobilidade urbana que envolvam a Região Metropolitana do Rio têm histórico de atraso. Ao que parece, a ligação de São Gonçalo à capital fluminense por meio das barcas e a reativação da estação de trem de Itaguaí devem engrossar a lista de empreendimentos que passam um bom tempo na gaveta antes de sair do papel. O governo estadual chegou a anunciar que os dois projetos estariam prontos até 2015, mas a construção de ambos ainda está longe de começar. Além de não terem verba definida, persistem entraves burocráticos a serem resolvidos, como a obtenção de licenças ambientais, desapropriações e licitações.

De acordo com o professor da Uerj Alexandre Rojas, especialista em Engenharia de Transportes, a ligação de São Gonçalo à Praça 15 através de sistema aquaviário é um projeto discutido há décadas e seria essencial que estivesse em funcionamento para desafogar os engarrafamentos diários da Ponte Rio-Niterói.

“Mais de 300 mil pessoas se deslocam por dia entre São Gonçalo e Rio. As vias estão saturadas, e a barca se apresenta como uma ótima alternativa. O fluxo ocasionado pelo Comperj (complexo petroquímico em construção na área de Itaboraí) torna ainda mais urgente essa necessidade”, explica Rojas.

O próprio professor lembra, no entanto, que há alguns desafios técnicos que têm de ser vencidos para que o projeto se torne realidade. “Como a poluição da Baía de Guanabara na região de São Gonçalo é pior que a de Niterói, devido ao descarte de lixo na área, isso acarreta uma série de problemas para o funcionamento das embarcações. O fundo da baía também acumula segmentos, lodo, que precisariam ser dragados. E isso demandaria gastos elevados”, completa.

O vereador de São Gonçalo Armando Marins (PR) afirma que acionará o Ministério Público para que as obras tenham início. “A Secretaria de Transportes assumiu um compromisso de que a barca em São Gonçalo estaria operando em abril de 2014, e até agora nada. Aí fica postergando. A Petrobras está construindo um porto na região de Itaoca para ancorar navios do Comperj, por que então não fazer uma estação para as barcas também?”, questiona.

Questionada pelo DIA , a Secretaria de Transportes não mencionou novos prazos para o projeto das barcas. “Estamos aguardando o resultado de um estudo, que está em fase final de calibração de dados, que prevê a criação de novas rotas marítimas em diferentes pontos da Região Metropolitana. Dentre as sugestões, duas possíveis ligações com São Gonçalo terão seus projetos de viabilidade de execução priorizadas”, diz o texto, sem mencionar prazos.



Desativada desde a década de 1980, a estação de trem de Itaguaí tem prazo para voltar a funcionar até o fim do ano que vem. O anúncio foi feito por Luiz Fernando Pezão, na época ainda vice-governador, em março de 2013. Só que, desde então, o projeto — que prevê a substituição de trilhos e dormentes, aquisição de novas composições e construção de estações — sequer começou.

A concessionária Supervia informou que aguarda que o governo estadual faça desapropriações e obtenha as licenças ambientais necessárias, para que possa iniciar a modernização do trecho entre Santa Cruz e Itaguaí. A Secretaria de Transportes informou que o projeto está previsto para ser iniciado em 2015 e que o novo ramal deverá funcionar como sistema de VLT (Veículo Leve sobre Trilho), beneficiando cinco mil pessoas por dia. Há duas semanas, o governo estadual anunciou a compra de sete VLTs para outros dois ramais (Guapimirim e de Vila Inhomirim), mas a entrega deve ser concluída só em 2016. No caso de Itaguaí, no entanto, os veículos nem foram encomendados.



sábado, 9 de agosto de 2014

Uma homenagem a carioca Ciferal, que fabricou belíssimos ônibus.

 A empresa foi fundada em 1955Fritz Weissmann, um austríaco que chegou ao Brasil ainda jovem, em 1927, e instalou-se primeiramente na Avenida Brasil, em Ramos, na cidade do Rio de Janeiro.

A empresa fabricou o primeiro ônibus urbano em 1957 e o primeiro ônibus brasileiro com ar condicionado individual para os passageiros. Em 1961, segundo o site Railbuss.com, a encarroçadora conquistou seu primeiro grande cliente, a Viação Cometa, que não podia mais importar ônibus dos Estados Unidos, devido à política de restrição de importações que começou naquela época.

No início dos anos 70, a empresa juntou-se às encarroçadoras Cribia e Metropolitana - esta, fundada em 1948 pelo próprio Fritz Weissmann. A Metropolitana, porém, foi vendida à Caio anos depois.

Na década de 90, a empresa se muda de Ramos para as instalações da antiga Fábrica Nacional de Motores (FNM), em Xerém (RJ). 

Em 2001 foi adquirida pela empresa Marcopolo.

Vamos aos dois dos modelos mais antigos e marcantes desta encarroçadora.

Ciferal Leme

Ciferal Tocantins

A linha 629-Irajá-Saens Peña agora é da Caprichosa.

Confirmando os boatos que já eram divulgados em diversas páginas da internet sobre o assunto, a Caprichosa Auto Ônibus começou a operar a linha 629 SAENS PEÑAX IRAJÁ, oriunda da Viação Rubanil, com novos ônibus Caio Apache Vip III e Marcopolo New Torino, todos Mercedes-Benz OF-1721 e com ar condicionado.

Fonte das fotos: http://onibusemdebate.blogspot.com.br/, visite pois lá tem mais.

A linha 685-Méier-Irajá agora é da Três Amigos.

A Auto Viação Três Amigos começou a operar a linha 685 MÉIER X IRAJÁ, oriunda da Viação Rubanil, com novos ônibus Neobus Mega Plus, Mercedes-Benz OF-1519, todos com ar condicionado, e com o retorno do ponto final para o terminal rodoviário do Méier, ao lado do viaduto.

Recentemente verifiquei em Cascadura, vários carros da linha em operação, e todos eles com uma quantidade excelente de passageiros.


Novo Mascarello Gran Via Midi com ar condicionado da Nilopolitana.

Com a operação da linha 129B-Nilópolis-Central, oriunda da Trans1000, a tradicional empresa Nilopolitana voltou a ter veículos com ar condicionado em sua frota, e trata-se do novo modelo da Mascarello Gran Via Midi, montado sobre chassis: OF-1721L BlueTec 5 da Mercedes-Benz.

Foram adquiridas também unidades sem ar condicionado.

Ainda não há confirmação da quantidade adquirida.

Fonte: http://galeriabsg.blogspot.com.br/, visite o belo site, lá tem mais fotos.


Nossa Senhora da Penha e seu Neobus Mega Plus com ar condicionado.

Viação Nossa Senhora da Penha, Neobus Mega Plus, Chassis: OF-1519 BlueTec 5 da Mercedes-Benz.

Segundo informações são 05 unidades para a linha 133B - Nova Iguaçu - Central. 


Fonte:  http://galeriabsg.blogspot.com.br/ visite o ótimo site, lá tem muito mais fotos.


BYD TERÁ FÁBRICA E CENTRO DE P&D EM SP

Fonte: http://caranddriverbrasil.uol.com.br/
A gigante chinesa BYD Company Limited – especializada em baterias, veículos híbridos e elétricos e novas energias – anuncia que investirá R$ 200 milhões na sua primeira unidade produtiva na América Latina em Campinas (SP), onde será inaugurada até o final deste ano, conforme apurou a reportagem de C/D. 
A unidade, que contará com 450 postos de trabalho, será responsável pela montagem de ônibus elétricos, de baterias de fosfato de ferro e abrigará a montagem de painéis solares. O Centro de P&D da empresa no Brasil será focado em estudos e tecnologias para veículos elétricos, baterias, smart grid, energia solar e iluminação.A nova fábrica também abrigará um centro de pesquisa e desenvolvimento de produtos. O projeto foi anunciado durante o evento de assinatura de protocolo de intenções entre a BYD e a prefeitura de Campinas (SP).
Serão 32 mil m2 de área, sendo 20 mil m2 de área construída. “A planta industrial terá capacidade de produção de 500 a 1.000 unidades de ônibus e baterias quando alcançar sua plena operação”, revela o presidente da BYD Brasil, Tyler Li. “Temos ainda interesse da empresa em fabricar células de baterias e chassis para ônibus elétricos no Brasil no futuro próximo”.
O modelo de negócios adotado pela BYD para introdução dos ônibus elétricos no mercado nacional será vendê-los pelo mesmo preço do similar a diesel, com o contrato de leasing da bateria a ser pago pela economia do combustível.
Modelo similar será oferecido para táxis. Sem entrada e sem pagamento pelo veículo, o taxista pagará o custo do combustível para a BYD, via contrato de leasing do veículo com bateria e energia inclusas. Assim, a empresa espera viabilizar a troca de amplas frotas de veículos poluentes para veículos de emissão zero, sem aumento nos custos dos sistemas de transporte público.