sexta-feira, 26 de maio de 2017

Liminar autoriza reajuste das passagens de ônibus no Rio para R$ 3,95.

Notícia publicada em: http://www.tjrj.jus.br/

A juíza Roseli Nalin, titular da 15ª Vara da Fazenda Pública do Rio, concedeu liminar autorizando o reajuste da tarifa modal do Bilhete Único Carioca para R$ 3,95. Na decisão, a magistrada destaca que a prefeitura não estava cumprindo o contrato de concessão firmado com os quatro consórcios que exploram as linhas de ônibus do município (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca), que previa o reajuste. A decisão tem caráter provisório e ainda cabe recurso.

“Concedo liminarmente a tutela de urgência deprecada na inicial para determinar ao município que cumpra o contrato de concessão, com a implementação do reajuste do valor da Tarifa modal do Bilhete Único Carioca - BUC para utilização no Serviço Público de Transporte de Passageiros por Ônibus do Município do Rio de Janeiro no valor de R$ 3,95 (três reais e noventa e cinco centavos), conforme decidido anteriormente pela Administração Municipal, a partir do décimo primeiro dia posterior ao da data de sua intimação”.

Ela também estabeleceu prazo de dez dias, para a prefeitura comunicar aos usuários e à população, antes da efetivação da cobrança da nova tarifa.

“Deve o Município informar aos usuários e à população acerca do valor reajustado da tarifa ao longo de 10 dias antes do início da sua efetiva cobrança, bem como informe que o aludido reajuste da tarifa está sub judice”.

A ação foi movida pelos quatro consórcios (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca), que alegaram que vêm sendo prejudicados pela conduta da prefeitura, através da ampliação na concessão de gratuidades, do congelamento do reajuste entre 2012 e 2014 e pela autorização de circulação de vans em itinerários coincidentes aos percorridos pelas linhas de ônibus.

“O reajuste de preços em conformidade com o que estabelece o contrato é medida de segurança jurídica e boa-fé da Administração, sendo sua omissão verdadeira revelação de certo desprezo com as regras estabelecidas, reduzindo artificialmente o valor da tarifa por intermédio da inércia e do congelamento do preço”, destacou a juíza na decisão.

A Prefeitura do Rio informou que recorrerá da decisão judicial assim que for notificada.

Processo No 0095493-06.2017.8.19.0001

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Marcopolo lança o Torino S, versão do New Torino.

Fonte: http://ocdholding.com/

A Marcopolo lança uma nova versão do seu modelo urbano de maior sucesso, o Torino S.

O produto foi desenvolvido ao longo de dois anos para garantir eficiência operacional, com manutenção simplificada, mais rápida, gerando menos custos, e os mesmos atributos de robustez e confiabilidade comuns a todas as outras versões do Torino, além de oferecer qualidade, conforto, segurança e maior espaço para os passageiros e motorista.
 
Segundo Paulo Corso, diretor de operações comerciais e marketing da Marcopolo, com a nova versão a empresa pretende colaborar para estimular e acelerar a renovação de frota no segmento urbano. “Desenvolvemos o Torino S, que representa Soluzione (solução, em italiano), produto que mantém todos os atributos da família Torino e que proporciona ao operador praticidade e facilidade de manutenção, redução no custo e no tempo de reparação e ergonomia e conforto para o condutor”, destaca.

O novo Torino S será produzido na fábrica da Marcopolo Rio, em Xerém. A expectativa da fabricante é comercializar mais de 1.000 unidades ao longo de 2017 e que a versão tenha uma expressiva participação do volume total de veículos dos modelos urbanos.

As áreas de marketing e engenharia da Marcopolo foram a campo, desde 2015, para levantar os principais pontos que poderiam ser otimizados, e tornar o Torino ainda mais eficiente e competitivo.  Em um momento tão agudo de crise econômica como o que o Brasil enfrenta, a nova versão pode estimular e colaborar para que o operador renove a sua frota e possa tornar sua operação ainda mais eficiente, mantendo os veículos em utilização por maior tempo, em razão de ter manutenção mais fácil, rápida e com custo reduzido.

“O foco do Torino S é a operação”, ressalta Paulo Corso. “Ampliamos os atributos de conforto, segurança, acessibilidade para passageiros, motorista e cobrador, e, ao mesmo tempo, adotamos conceitos práticos e eficazes para quem precisa manter o veículo sempre em operação”.

De acordo com Luciano Ricardo Resner, diretor de engenharia da Marcopolo, a nova versão foi desenvolvida com base no que os clientes desejam, com as principais informações transmitidas para a rede de representantes em todo o Brasil. “Nosso trabalho foi ampliar ainda mais a vocação do modelo para a aplicação pesada e contínua. Suas características de manutenção mais fácil, ágil e barata, vão permitir ao transportador manter o veículo maior tempo em operação e realizar quaisquer reparos da forma mais rápida”, enfatiza o executivo.
O Torino S reflete a ideia da Marcopolo em proporcionar o que os empresários almejam em termos de custo, facilidade de manutenção e redução do tempo parado em garagens para a realização de serviços. Ou seja, é o produto ideal para este momento de necessidade de redução de custos e também de ociosidade do produto.

A praticidade para o operador começa na oferta de configurações. São 24 diferentes configurações para os cinco principais modelos de chassis urbanos vendidos no Brasil, de 11.200 mm até 13.200 mm de comprimento. O novo Torino S será montado inicialmente em chassis Mercedes-Benz OF 1519, OF 1721 e OF 1721 L e os MAN VW 15.190 OD e VW 17.230 OD.

Externamente, o Torino S tem como diferenciais o design limpo e leve, com novos conjuntos ópticos dianteiro e traseiro. O novo vigia traseiro, com cantos menos salientes e arredondados, também dá mais leveza e modernidade ao ônibus. Com lâmpadas totalmente em LED e desenho redondo, os faróis e lanternas têm máxima eficiência luminosa e são facilmente intercambiáveis, reduzindo tempo e custo de manutenção e reparo.

Focando na rapidez e custo de reparação, a nova versão ganhou também saias laterais retas, aro de rodas em borracha e placa do veículo incorporada (não mais no para-choque traseiro), e vidros laterais intercambiáveis em um único tamanho. O veículo conta ainda com espelhos retrovisores mais modernos e eficientes, tomadas de ar de teto com novo formato e sistemas de fixação e vedação de fácil acesso e manuseio para os usuários. 

O resultado de todo o trabalho de marketing e engenharia da Marcopolo é a redução do tempo do veículo parado para manutenção, com serviços facilitados. Até mesmo os chicotes elétricos foram separados em dianteiro e traseiro, redesenhados e reposicionados, facilitando o acesso e a manutenção.

Internamente as mudanças também são significativas. Para o motorista, o posto de condução foi totalmente redesenhado para ampliar conforto, ergonomia e facilitar o acesso aos comandos. Ganhou console mais ergonômico, que proporciona maior espaço para pernas e para a sua movimentação. Também passou a contar com novas saídas de ar no painel, no teto e para as pernas, com ventilação mais forte e eficiente.

O novo posicionamento do condutor reduz o estresse causado ao longo da atividade e possibilita benefícios como a melhor ventilação, fácil acionamento dos controles e menor desgaste físico. Os itens de manutenção e a central elétrica também foram posicionados junto ao condutor para facilitar o seu controle.

O novo painel de instrumentos conta com teclas de comando do tipo IP66 (padrão europeu) e o seu projeto garante maior isolamento e vedação e facilita as operações de limpeza do veículo. Para aumentar o espaço para as pernas do motorista, o defroster foi instalado em novo local, sob o painel. A tampa superior interna frontal do itinerário foi redesenhada e permite o acesso ao equipamento pelo interior do ônibus.

Para tornar mais eficiente a operação dos veículos, a Marcopolo dedicou, no novo projeto, especial atenção à padronização de componentes. Com isto, conseguiu diminuir a necessidade de itens de reparo em estoque nas garagens.

Vidros laterais intercambiáveis, saias laterais retas, faróis redondos com lâmpadas de LED e as opções de chassis são alguns exemplos adotados para reduzir o tempo de entrega do carro. Segundo Luciano Resner, pelo novo conceito, a fabricante estabeleceu alguns projetos de veículos que vão diminuir o tempo de produção. “Analisamos os hábitos de compra dos principais clientes brasileiros e buscamos a padronização de componentes e opcionais, reduzindo em muito o tempo para fornecimento do produto. Este é, neste momento, um importante diferencial, pois faz com que o cliente coloque o novo veículo em operação mais cedo”, explica.

A padronização de componentes também possibilita a facilitação da manutenção e maior comodidade para os passageiros. A empresa desenvolveu uma nova tampa superior para acesso ao sistema de abertura das portas. Em ABS, em vez de fibra de vidro, permite acesso mais rápido, amplia sua vida útil e diminui possíveis ruídos decorrentes de vibrações geradas pelas irregularidades das ruas e avenidas, além de colaborar com o meio ambiente O sistema de abertura e fechamento das portas conta com nova estrutura e bandeja que ampliam a vida útil dos pistões de acionamento.

Novo sistema de limpador de para-brisa
A visibilidade é item crítico no trânsito urbano, ainda mais em dias de chuva. Para garantir a perfeita visão do motorista e a segurança dos passageiros, a Marcopolo desenvolveu um novo sistema de limpador de para-brisa, com melhor funcionamento e limpeza da área de visão. Os novos braços proporcionam maior pressão das palhetas sobre o vidro, limpando a área de maneira uniforme e completa.

Produção em linha dedicada
Para mais eficiência e produtividade na fabricação do novo Torino S, a Marcopolo projetou em sua operação em Xerém (Marcopolo Rio) uma linha exclusiva e dedicada, que possui algumas inovações e diferenciais em relação à linha onde são montados os demais modelos Torino.

Segundo Lusuir Grochot, diretor de operações industriais e melhoria contínua, a nova linha foi concebida de acordo com os princípios Lean e contou com a realização de um Kaizen 3P de ajuste da fábrica. “Foram identificadas todas as oportunidades de melhorias e um plano de ação foi gerado exclusivamente. Por ser dedicada à fabricação do modelo Torino S, a linha também recebeu pintura diferenciada na cor cinza claro”, destaca o executivo.

O balanceamento de produção está proposto para até 10 carrocerias por turno em uma única linha de montagem e a produção está pautada em indicadores, estruturados sobre os pilares de segurança, qualidade e produtividade.

 marcopolo_torinos_dianteira

 marcopolo_torinos_traseira

sábado, 29 de abril de 2017

Os Caio Apache Vip IV da Viação Mauá estão chegando!

Fonte: https://ocdholding.wordpress.com

Chegaram oito unidades desse lindo veículo na tradicionalíssima empresa gonçalense, entre eles o RJ 185.030, RJ 185.033, RJ 185.053 e RJ 185.064.

 
 

A imagem pode conter: ônibus, céu e atividades ao ar livreA imagem pode conter: atividades ao ar livre

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Manifestação do "povo" que prejudica somente o próprio povo!

É assim que devemos nos manifestar? 
É assim que vamos conseguir mudanças boas para o nosso país, para o nosso povo?
Esse vandalismo desenfreado que vem tomando conta de nossa população é inaceitável, é intolerável!
Enxerguem que queimar tantos ônibus como vem sendo feito nos últimos anos só prejudica os mais pobres, os que mais precisam desse meio de transporte.
Vamos dar um basta nessa baderna!
Vamos da um basta nesse vandalismo!

Vários ônibus incendiados no Centro da cidade do Rio de Janeiro, alguns dos quais, com menos de um mês de uso.

Foram destruídos veículos da:
Viação Vila Real
Viação Pavunense
Auto Viação Alpha
Auto Viação Jabour
Viação Nossa Senhora das Graças
Companhia de Ônibus Encontro - Coesa 

A imagem pode conter: atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: ônibus e atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: atividades ao ar livre
A imagem pode conter: atividades ao ar livre 
 A imagem pode conter: ônibus e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: carro e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: pessoas sentadas e atividades ao ar livre
 Nenhum texto alternativo automático disponível.
A imagem pode conter: atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: árvore e atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: noite, campo de beisebol e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: ônibus, noite e atividades ao ar livre

Fonte das fotos: https://www.facebook.com/groups/1378678422431952/
Autor: https://www.facebook.com/wallace.velloso

Auto Viação Três Amigos também compra Apache Vip IV.

Fonte: https://ocdholding.wordpress.com

A Auto Viação Três Amigos, empresa que integra os consórcios Internorte e Transcarioca, começa a receber os primeiros ônibus adquiridos em 2017 dando início a sua renovação de frota. E tratam-se de veículos da encarroçadora paulista Caio do modelo Apache Vip IV. Contam com vistas eletrônicas da marca FRT, ar condicionado da marca Spheros e plataforma elevatória para cadeirantes SAR 1600 da Ortobrás. O chassi é Mercedes-Benz do modelo OF-1519.

Foram fotografadas oito unidades para o consórcio Transcarioca desses que são os primeiros da quarta geração do Apache Vip para a empresa. Os últimos foram da segunda geração adquiridos em 2012. O Consórcio Internorte também receberá unidades da novidade da Três Amigos.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Novo prazo para ônibus com ar condicionado na cidade do Rio de Janeiro.

Fonte:  http://www.tjrj.jus.br

A juíza Luciana Losada Albuquerque Lopes, da 8ª Vara de Fazenda Pública do Rio, estabeleceu em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça, o prazo de 90 dias para que o representante do Rio Ônibus e Fetransport, Lélis Teixeira, coloque em circulação na cidade 196 ônibus climatizados. Antes disso, o representante deverá apresentar, em 30 dias, documentos que identifiquem medidas comprobatórias da aquisição da frota.

Em sua decisão, a magistrada determinou ainda que o Município do Rio de Janeiro instaure, no prazo de 24 horas, procedimento administrativo revisional de tarifa, com base no estudo realizado pela empresa Ernest Young. Para tanto, determinou abertura de processo administrativo indicando o seu número e juntando aos autos todos os estudos técnicos e decisões de mérito administrativos proferidos no processo.

Ao Secretário Municipal de Transporte do Rio de Janeiro, Fernando Mac Dowell, a juíza estipulou o prazo de 10 dias para  elaborar o cálculo de reajuste para 2017, tendo como base o ano de 2016. O secretário deverá apresentar o cálculo à juíza e encaminhar para decisão final do prefeito, Marcelo Crivella.

A prefeitura deverá ainda dar ciência ao Ministério Público estadual (MP) de todos os atos processuais praticados no procedimento a ser instaurado. O MP solicitou que fique consignado que os compromissos assumidos pela prefeitura e a Rio Ônibus não representam novação ao acordo homologado judicialmente e nem desconstituem suas alegações e de seu corpo técnico quanto ao descumprimento da obrigação e a metodologia necessária à renovação da frota de ônibus climatizados. Já o município requereu que fique registrado que vem exercendo, dentro dos limites legais, o cumprimento da decisão judicial.

A ação pública, ajuizada pelo MP em face do Munícipio do Rio de Janeiro, estabelecia a obrigação de promover a climatização da frota de ônibus municipal até 31 de dezembro de 2016. Na segunda audiência, foi estabelecida a obrigatoriedade de apresentação de um cronograma de urgência. Em manifestação anterior a esta audiência, o Ministério Público havia requerido intervenção administrativa na exploração do serviço público de passageiros por ônibus ao prefeito e ao secretário municipal de Transportes, além de realização de auditoria por empresa de notória especialização e apresentação anual de parecer de auditoria dos dados contábeis e financeiros.

Processo: 0052698-24.2013.8.19.0001

Empresas de ônibus da cidade do Rio entram na Justiça para aumentar tarifa.

Fonte: http://extra.globo.com

Os quatro consórcios de ônibus que operam na cidade do Rio (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca) entraram com uma ação na Justiça para exigir o aumento da tarifa. Com base no IPCA registrado no ano passado, as empresas querem que a passagem passe dos atuais R$ 3,80 para R$ 3,95. O processo tramita agora na 15ª Vara de Fazenda Pública.

O contrato de concessão prevê um aumento anual nas tarifas. Normalmente, o reajuste é concedido no fim de dezembro com base na fórmula que leva em conta os custos do setor estabelecidos no contrato de concessão firmado pelos quatro consórcios que operam no Rio. No fim do ano passado, o então prefeito Eduardo Paes deixou para seu sucessor, Marcelo Crivella, decidir se as passagens de ônibus da cidade seriam ou não reajustadas no dia 1º de janeiro.

Crivella, por sua vez, optou por não reajustar as tarifas. Disse que o aumento da tarifa só seria concedido quando as empresas cumprissem a meta de climatizar todos os ônibus da cidade.

Procurada, a Rioônibus, que reúne as empresas de ônibus, ainda não se manifestou sobre o processo.

Transportes Santa Maria encerra suas atividades.

Fonte parcial: http://extra.globo.com

A tradicional empresa de Jacarepaguá, Transportes Santa Maria, que integra o Consórcio TransCarioca, encerrou as atividades na manhã desta quarta-feira 26/04/2017. 

Essa é a primeira, este ano, a parar de rodar na cidade do Rio, e com o encerramento das atividades, as linhas serão remanejadas para outras empresas do consórcio.

De acordo com o dono da empresa, Paulo Valente, os funcionários estavam com salários atrasados e fizeram um protesto em frente à garagem da empresa, em Curicica, Zona Oeste do Rio. Valente culpou a Prefeitura do Rio pelo fechamento da companhia.

— A prefeitura não fez o aumento das passagens deste ano, algo que já estava acordado desde 2010. Sem isso, não estamos conseguindo pagar os nossos funcionários em dia. Estávamos tendo um prejuízo mensal de R$ 700 mil, isso é muito dinheiro e nós não somos a única empresa de ônibus assim. O nosso sistema rodoviário está um caos.

A Transportes Santa Maria alega que não tem a capacidade de cumprir com o pagamento dos salários dos rodoviários e de outros prestadores de serviços, além de outros custos básicos, como abastecimento da frota de veículos e manutenção. A empresa contava com 126 veículos, sendo 36 articulados, que vinham operando no sistema BRT. 

As linhas alimentadoras da empresa eram: 954-Taquara-Recreio; 831-Colônia-Taquara; 832-Taquara-Alvorada e 810-Taquara-Vargem Grande.

Ressalta-se que anteriormente outras linhas foram repassadas para a Transportes Litoral Rio (702A)e para a Auto Viação Tijuca (832).

Desde 2015, seis outras empresas fecharam no Rio, são elas:
Auto Viação Bangu (Consórcio Santa Cruz);
Empresa de Viação Algarve (Consórcio Santa Cruz)
Translitorânea Rotas Turísticas (Consórcio Intersul/Transcarioca)
Rio Rotas (Consórcio Santa Cruz)
Viação Andorinha Rio (Consórcio Santa Cruz)
Viação Via Rio (Consórcio Internorte)

A Rio Ônibus alerta de que pelo menos mais 12 empresas correm o risco de para de operar. Neste ano, as viações Pavunense, VG e São Silvestre tiveram paralisações dos motoristas por causa da falta de pagamento dos salários. O sindicato informou está acionando nove empresas de ônibus na Justiça, tendo como motivo exatamente a dificuldade que estas vêm encontrando para o pagamento de salários aos funcionários.

Procurado, o consórcio do BRT informou que colocou ônibus de reserva em circulação nesta quarta-feira. Já a Secretaria Municipal de Transporte disse que a obrigação de manter o serviço rodoviário operando são dos próprios consórcios. A pasta vai notificar o consórcio Transcarioca para que tome as medidas necessárias para regularizar o serviço. Perguntada se aumentará as tarifas dos ônibus, a secretaria disse apenas que a questão tramita na justiça do Rio.

Resultado de imagem para transportes santa maria

sábado, 1 de abril de 2017

Por ar condicionado, Ministério Público pede intervenção nas empresas de ônibus da cidade do Rio.

O impasse na climatização da frota municipal levou o Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (Gaema) do Ministério Público a incluir nos autos do processo que trata da refrigeração dos coletivos que circulam na cidade, um pedido para que a prefeitura seja obrigada a nomear um interventor administrativo no contrato de concessão do serviço de transporte público do Rio, para garantir a celeridade do processo. No documento que foi juntado aos autos, na última quinta-feira, 30/03/2017, os promotores pedem que a intervenção seja realizada no prazo máximo de 30 dias, sob pena de multa.

Caso a prefeitura não nomeie o interventor, o MP requer que a Justiça o faça. O órgão pede também o aumento da multa fixada em R$ 20 mil por cada ônibus não climatizado. A juíza Luciana Losada Albuquerque Lopes, da 8ª Vara de Fazenda Pública da Capital suspendeu a audiência marcada para a tarde desta sexta-feira, para tratar do cronograma de urgência apresentado pela prefeitura, o qual previa a aquisição de 196 ônibus climatizados para serem incorporados à frota, número considerado insuficente pelo MP.

Segundo o Tribunal de Justiça, a decisão da juíza em desmarcar a audiência se deveu ao fato de as empresas não terem respondido aos ofícios da prefeitura determinando a aquisição dos novos ônibus climatizados, bem como para aguardar o posicionamento do município em relação ao pedido do MP de intervenção nos consórcios, por terem interrompido o processo de climatização. O prazo para a manifestação da prefeitura é de 15 dias úteis.

Os promotores requerem ainda no documento que o município obrigue os consórcios que operam as linhas municipais a fazer auditoria nos sistemas utilizados pela concessionária, devendo constar dos levantamentos dados de natureza operacional, contábil, administrativa, financeira e de controle. O MP pede ainda que a prefeitura exija dos consórcios a realização anual de auditoria e parecer nas respectivas demonstrações contábeis e financeiras, entre outras.

Apesar de reconhecer que o MP tem legitimidade para propor a ação contra as empresas de ônibus, requerendo as medidas judiciais necessárias para forçar a climatização dos veículos, a Procuradoria Geral do Município diz que a intervenção, pedida pelo órgão, é ilegal e “só cabendo em situações extremas, que comprometam o próprio funcionamento do serviço”. A medida, diz a nota, implicaria em colocar a prefeitura como prestador direto do serviço, estatizando o transporte público.

A Procuradoria diz ainda que o município não pode tomar nenhuma medida que desrespeite o contrato de concessão, sob pena de sofrer ação judicial, onerando o erário público. O órgão informou também que o município está obrigado a aguardar o cumprimento da notificação feita à Rio Ônibus, determinando a climatização de 196 ônibus até junho, como previsto no cronograma de urgência.

Sobre a aquisição dos novos ônibus para atender o cronograma de urgência, as empresas informaram que receberam o ofício da prefeitura, o qual foi imediatamente acatado e está dentro do prazo de cumprimento. Os consórcios garantem que vão apresentar todas as informações solicitadas pelo Ministério Público dentro dos prazos estipulados.

A respeito da refrigeração de toda frota, afirmam que são a favor, “desde que sejam assegurados os termos do contrato e a adequação das tarifas aos novos investimentos a serem realizados e aos novos custos de operação (maior consumo de combustível e manutenção)”.

Veja a nota da prefeitura, na íntegra:
"A Procuradoria Geral do Município esclarece que a intervenção solicitada pelo Ministério Público Estadual é ilegal, só cabendo em situações extremas, que comprometam o próprio funcionamento do serviço. A medida implicaria em colocar a Prefeitura como prestador direto do serviço, estatizando o transporte público.

No entanto, o Ministério Público tem legitimidade para propor ação contra as empresas de ônibus, requerendo as medidas judiciais que entender necessárias para forçar a climatização total dos ônibus. Ao contrário, o Município do Rio de Janeiro não pode tomar nenhuma medida que desrespeite o contrato de concessão, sob pena de sofrer ação judicial, que poderia onerar o erário público. Cabe ressaltar, ainda, que o Município está obrigado a aguardar o cumprimento da notificação feita à Rio Ônibus – que determina a climatização de 196 ônibus até junho, conforme previsto no cronograma de urgência.

É importante frisar que as decisões administrativas e judiciais adotadas até o momento pela Prefeitura visam, sobretudo, garantir que a climatização total aconteça com o menor impacto possível na tarifa de ônibus."

Veja a resposta dos consórcios, na íntegra:
“A respeito do processo de climatização da frota de ônibus do município do Rio de Janeiro, os consórcios Intersul, Internorte, Transcarioca e Santa Cruz esclarecem que:

- O ofício SMTR nº 184/2017, que determina a aquisição de 196 ônibus novos com ar-condicionado no prazo de 90 dias, foi recebido em 17/03/2017 e foi imediatamente acatado. É importante ressaltar que esse ofício está dentro do prazo de cumprimento.

- O ofício TR/SUBT nº 54/2017, que solicita a comprovação do cumprimento da aquisição de 196 ônibus climatizados, foi recebido pelos consórcios na data de hoje (31/03/2017), com prazo de cinco dias úteis para que as informações sejam enviadas.

- Todas as informações solicitadas pelo Ministério Público serão apresentadas dentro dos prazos estipulados.

- É importante destacar a impossibilidade de adaptação de sistemas de refrigeração em ônibus sem ar-condicionado, sob o ponto de vista da eficiência operacional. As mudanças estruturais no chassi e na carroceria necessárias devem ser feitas no processo de fabricação do veículo. Cada ônibus novo custo em torno de R$ 450 mil.

- Os consórcios reiteram que são a favor da climatização de todo o sistema de ônibus municipal, desde que sejam assegurados os termos do contrato e a adequação das tarifas aos novos investimentos a serem realizados e aos novos custos de operação (maior consumo de combustível e manutenção).

- Vale ressaltar também que o descumprimento do contrato de concessão pela atual administração, que não concedeu o reajuste da tarifa previsto para o início de janeiro de 2017, agrava a capacidade de investimentos das empresas e aprofunda o desequilíbrio econômico-financeiro do setor de ônibus. Desde abril de 2015, seis empresas deixaram de operar devido ao agravamento da crise financeira.”

Leia mais:
http://extra.globo.com , fonte da notícia.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Auto Viação Alpha também se rende ao Caio Apache Vip IV.

Fonte: https://www.facebook.com/mundobusologia
A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: ônibus, céu e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: ônibus, céu e atividades ao ar livre

Viação Mauá compra Caio Apache Vip IV.

Parem as máquinas, para o belíssimo furo de reportagem do https://www.facebook.com/mundobusologia , o qual parabenizo de pé!
A imagem pode conter: ônibus e atividades ao ar livre

Expresso Cruzeiro do Sul deixará as linhas 410T e 420T.

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1309 DE 28 DE MARÇO DE 2017
REQUISITA EMPRESAS PARA A OPERAÇÃO EM CARÁTER EMERGENCIAL E PRECÁRIO DE LINHAS INTERMUNICIPAIS.
O PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DETRO/RJ, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o disposto no Regulamento do Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros, aprovado pelo Decreto nº 3.893/81, tendo em vista o que consta do Processo Administrativo nº E-10/131091/2011 e apensos,
CONSIDERANDO: que a caducidade declarada através da Portaria DETO/PRES. Nº 1308, de 28 de março de 2017, referente à concessão do serviço público de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros por ônibus, outorgada à Empresa Cruzeiro do Sul Ltda (RJ -103), através dos contratos de concessão das linhas: 410T São João de Meriti - Barra da Tijuca e 420T Mesquita - Barra da Tijuca com integração para Nilópolis, proveniente da Concorrência Pública nº 01/2008, ficando, destarte, declarada extinta a referida concessão; e que o transporte de passageiros é definido como serviço público de natureza essencial, devendo observar o princípio de serviço adequado, que pressupõe o pleno atendimento dos usuários, satisfazendo as condições de regularidade, continuidade, eficiência e segurança;
RESOLVE:
Art. 1º - Requisitar em caráter emergencial e precaríssimo, até a conclusão do procedimento licitatório para concessão dos serviços, as permissionárias, Empresa de Transporte Flores Ltda. (RJ-128) para a operação da linha 410T SÃO JOÃO DE MERITI - BARRA DA TIJUCA "SAC" e Cavalcanti & Cia Ltda. [Nilpolitana] (RJ-123) para a operação da linha 420T NILÓPOLIS - BARRA DA TIJUCA (via Mesquita) "SAC", utilizando uma frota mínima de oito ônibus urbanos equipados com ar condicionado em cada ligação, obedecendo os parâmetros, abaixo indicados:
410T SÃO JOÃO DE MERITI - BARRA DA TIJUCA "SAC"
(...)
420T NILÓPOLIS - BARRA DA TIJUCA (via Mesquita) "SAC"
(...)
410T Barra da Tijuca - São João de Meriti “SAC” — 10 carros — R$ 8,20
420T Nilópolis - Barra da Tijuca (via Mesquita) “SAC” — 13 carros — R$8,65

Art. 2º - A Diretoria Técnica Operacional diligenciará no sentido de assegurar a adequada prestação do serviço, promovendo os ajustes que se fizerem necessários, bem como a baixa dos veículos da Empresa Expresso Cruzeiro do Sul LTDA. registrados nesta Autarquia.

Art. 3º - O não cumprimento das disposições contidas nesta Portaria, por parte das empresas requisitadas, sujeitá-las-ão à aplicação da sanção prevista nas normas disciplinares que acompanham o Decreto nº 45.859/2016.

Art. 4º - Esta Portaria entrará em vigor à zero hora do dia 04 de abril de 2017, revogadas as disposições em contrário.
Rio de Janeiro, 28 de março de 2017
FERNANDO MORAES
Presidente

Agora é oficial, Detro cassa as linhas da Expresso Mangaratiba.

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS

ATO DO PRESIDENTE
PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1310 DE 29 DE MARÇO DE 2017
ESTABELECE INTERVENÇÃO TOTAL EM SERVIÇOS DE TRANSPORTE COLETIVO IN-
TERMUNICIPAL AUTORIZADOS À EMPRESA EXPRESSO MANGARATIBA LTDA.

O PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DETRO/RJ, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o Regulamento do Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros, aprovado pelo Decreto nº 3.893/81, tendo em vista o que consta do Processo Administrativo nº E-10/005/12020/2016 e apensos;

CONSIDERANDO os procedimentos instaurados pelo Ministério Público Estadual, IC PJDC 591/2014 (E-10/005/7191/2014), IC 1155/09 MPRJ 2009.00332207 (E-10/005/6941/2014), IC 1185/09 MPRJ 2009.00334362 (E-10/005/5498/2014), IC PJDC 237/2011 E-10/005/172/2014), REG 639/2013 MPRJ 2013.00641679 (E- 10/005/11255/2013), IC 36/2011 MPRJ 2011.00457065 (E- 10/005/9337/2013), IC 061/2010 MPRJ 2010.00495556 (E-10/005/7613/2013), IC 2008.2159.02 (E-10/005/7055/2013), IC 021/2012 MPRJ 2006.00079714 (E-10/005/7007/2013), IC PJDC
1182/2012 (E-10/143.141/2012), IC PJDC 1187/2011 (E- 10/141.794/2012, IC 16/2011 (E-10/138.614/2012, IC PJDC 540/2012 (E-10/137.691/2012, IC 2012.3288.02 (E- 10/135.066/2012), IC 1068/2008 (E-10/131.409/2012, IC 402/2008 (E-10/142.979/2011) PA 077/2007 MPRJ 2011.00969102 (E-10/141.753/2011), IC PJDC 1374/2010 (E-10/139.224/2011), IC 36/2011, PP 1023/08 (E- 10/137.936/2011), IC PJDC 805/2010 (E-10/136.490/2011), IC 111/12 MPRJ 2006.00079992 (E-10/005/6917/2015) e o constante no processo administrativo n° E-10/005/11225/2014, denunciando a precariedade dos serviços prestados pela permissionária; que o transporte de passageiros é definido como serviço público de natureza essencial, devendo observar o princípio de serviço adequado, que pressupõe o pleno atendimento dos usuários, satisfazendo as condições de regularidade, continuidade, eficiência e segurança; que a Empresa Expresso Mangaratiba LTDA. (RJ-137) não possui frota adequada à operação dos serviços autorizados, descumprindo procedimento previsto no art. 76 do Regulamento aprovado pelo Decreto n° 3.893/81; que a referida empresa não demonstrou nos últimos exercícios regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária, descumprindo procedimento previsto no art. 49 do aludido Regulamento; e finalmente que apesar de todas as oportunidades e prazos oferecidos para regularizar sua situação nesta Autarquia, a empresa em questão não efetivou até a presente data as medidas necessárias, RESOLVE:
Art. 1º - Intervir em todos os serviços autorizados, elencados no art. 2º, à Empresa Expresso Mangaratiba LTDA. (RJ-137), ficando a mesma impedida de operá-los.
Art. 2º - Requisitar, em caráter emergencial e precário, pelo prazo de 365 dias ou até a conclusão de procedimento licitatório para seleção de futuras concessionárias, as permissionárias Auto Viação Reginas LTDA. (RJ-110), Expresso Recreio Transporte de Passageiros LTDA. (RJ-230) e Expresso Real Rio LTDA. (RJ-133) para operar os serviços autorizados à Empresa Expresso Mangaratiba LTDA., de acordo com os parâmetros operacionais fixados por esta Autarquia e com a distribuição de frota indicada no quadro abaixo:
LINHA — EMPRESA — FROTA
426P Cesarão - Itaguaí — Expresso Real Rio — 6 ônibus
427P Itaguaí - Santa Cruz (via Codin) — Expresso Real Rio — 4 ônibus
430P Chaperó - Santa Cruz — Expresso Real Rio — 2 ônibus
458S Campo Grande - Itaguaí (via Av. Brasil/BR101) — Expresso Recreio — 12 ônibus
459S Campo Grande - Mangaratiba (via Av. Brasil/BR101) — Expresso Recreio — 1 ônibus
121T D. de Caxias - Mangaratiba (via C. Grande/ Estr. do Campinho) — Auto Viação Reginas — 10 ônibus
119T D. de Caxias - Itaguaí (via Bangu/Campo Grande) — Auto Viação Reginas — 10 ônibus
428P Campo Grande - Itaguaí (via Estr.do Campinho) — Expresso Real Rio — 8 ônibus
122T Itaguaí - Mangaratiba — Expresso Recreio — 6 ônibus
1900T Conceição de Jacareí - Duque
de Caxias (via Campo Grande/BR101) — Auto Viação Reginas — 1 ônibus
1901T Conceição de Jacareí - Duque de Caxias — Auto Viação Reginas — 1 ônibus
1902S Campo Grande - Conceição de Jacareí — Expresso Recreio — 1 ônibus
1903S — Conceição de Jacareí - Itaguaí — Expresso Recreio — 4 ônibus
457U Conceição de Jacareí - Itaguaí (via Mangaratiba) — Expresso Recreio — 10 ônibus
570P Itaguaí - Marechal Hermes — Auto Viação Reginas — 10 ônibus
573P Campo Grande - Itaguaí — Expresso Real Rio — 8 ônibus
590I Itaguaí - Nono (via Caçador) — Expresso Recreio — 2 ônibus
Art. 3º - Determinar a baixa de todos os veículos pertencentes à Empresa Expresso Mangaratiba LTDA, registrados no DETRO/RJ.
Art. 4º - Na hipótese em que a Empresa Expresso Mangaratiba LTDA. regularize sua situação nesta Autarquia, a presente intervenção poderá ser reavaliada.
Art. 5º - O não cumprimento das disposições contidas nesta Portaria por parte das empresas requisitadas sujeitá-las-ão à aplicação da sanção prevista nas normas disciplinares que acompanham o Decreto nº 45.859/2016.
Art. 6º - Esta Portaria entrará em vigor à zero hora do dia 08 de abril de 2017, mantidas as requisições já definidas por meio da Portaria DETRO/PRES. n° 1302, publicada no D.O. de 16 de janeiro de 2017, que estabeleceu a intervenção parcial em serviços operados pela Empresa Expresso Mangaratiba LTDA.
Rio de Janeiro, 29 de março de 2017
FERNANDO MORAES
Presidente

Nenhum texto alternativo automático disponível.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Expresso Real Rio assumirá linhas da Expresso Mangaratiba.

Fonte: https://www.facebook.com/groups/busologiario

A empresa Real Rio viação de ônibus, conseguiu a concessão de quatro linhas que eram da empresa Expresso Mangaratiba, para operar em viagens intermunicipais.

As concessões foram para as linhas Itaguaí / Campo Grande via Campinho, Itaguaí / Campo Grande via Palmares, Itaguaí / Campo Grande via Santa Cruz / Cesarão e Santa Cruz Chaperó.

Os ônibus, contam com equipamentos para deficientes físicos, além de carros já equipados com ar condicionado. Segundo um representante da empresa, os carros sairão com boa frequência, e o tempo de espera para os passageiros será bem menor que antes.

O site bocanotromboneitaguai.com entrou em contato com a empresa e recebeu a informação de que a operação das linhas ainda está vigorando, pois a mesma aguarda a publicação no Diário Oficial do Estado.

terça-feira, 14 de março de 2017

Caprichosa, Jabour, Transurb, Braso Lisboa, Ideal e N.S. da Penha compram mais Apache Vip IV.

Fonte das fotos: https://www.facebook.com/mundobusologia , página a qual parabenizo pelos belíssimos flagrantes.

Motoristas e cobradores de ônibus anunciam paralisação de 24h no Rio.

Fonte: http://g1.globo.com/

Em assembleia realizada na sua sede no Centro do Rio nesta terça-feira (14), o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraturb Rio) anunciou que a categoria fará uma paralisação de 24 horas a partir de 0h desta quarta, como forma de apoio aos protestos contra o projeto de reforma da previdência. Segundo nota do Sintraturb, participaram da assembleia cerca de 360 motoristas e cobradores de ônibus convencionais, BRT, fretamento, escolar e demais segmentos do setor de transportes.

A categoria, no estado, reúne efetivo estimado de 40 mil profissionais. O sindicato não fez qualquer previsão sobre a adesão a paralisação de amanhã. A nota do Sintraturb, entretanto, fala que a paralisação ocorrerá "dentro da lei".

Na opinião de Sebastião José, presidente do Sintraturb, as mudanças que podem vir a ocorrer na previdência vão afetar o setor de transportes de todo o país. "O sentimento da categoria é pela paralisação; mas temos que fazer tudo dentro da lei para que a população não seja prejudicada. Para se ter uma ideia, até 1996 o motorista tinha uma aposentadoria especial aos 25 anos que foi tirada pelo ex-presidente Fernando Henrique, passando depois para 30 e 35 anos", disse ele.

"Só que hoje esse mesmo motorista aos 25 anos já está com uma série de doenças provenientes de sua função, como stress, problemas na coluna e úlcera, já que ele não consegue se alimentar nem descansar direito. Hoje, posso afirmar, que o clima na categoria é de extrema revolta", argumentou.

A Secretária de Estado de Transportes informou que entrou em contato com as concessionárias SuperVia, CCR Barcas, MetrôRio e Fetranspor, o sindicato das empresas de ônibus. Segundo a secretaria, as concessionárias garantiram que os serviços funcionarão normalmente amanhã e que estão dialogando do entre si para assegurar o atendimento à população.

O sindicato o Sindicato dos Metroviários do Rio (Simerj) informou por telefone que não vai aderir à paralisação. O bonde de Santa Teresa também funcionará em horário normal.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Pintura retrô da Viação Cidade do Aço.

Fonte: https://ocdholding.wordpress.com

A Viação Cidade do Aço está completando 65 anos de existência em 2016 e para comemorar essa data, reviveu umas das suas mais marcantes pinturas, desenvolvida pelo arquiteto João de Deus Cardoso em 1972.

A pintura, que foi vencedora do Concurso de Pintura de Frotas da Editora Transporte Moderno no mesmo ano de sua criação, representa a corrida do aço produzido pela CSN em Volta Redonda, aonde a empresa foi fundada. Durou 21 anos quando foi substituída em 1993 por outra pintura criada por João de Deus.

Serão dois veículos com a pintura retrô da Cidade do Aço, que foram apresentados aos seus colaboradores no último dia 14 de dezembro na garagem de Barra Mansa. A caracterização desses dois veículos com a pintura retrô, foi sugestão de internautas e clientes da empresa.

 photo VCA01_zpsvobijiql.jpg
 photo vca02_zpsjgopwmti.jpg

TJRJ suspende liminar que isentava empresas de ônibus de pagar IPVA integral de 2014

Notícia publicada em: http://www.tjrj.jus.br

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), desembargador Milton Fernandes de Souza, suspendeu a execução de uma medida liminar que isenta as empresas de ônibus do Rio do pagamento 50% do IPVA não recolhido em 2014.

Naquele ano, as empresas foram beneficiadas por um decreto estadual (Decreto 44.568). Mas, na época, o Órgão Especial do TJRJ entendeu que a norma era inconstitucional e que o benefício deveria ser concedido através de lei. Assim, em cumprimento à decisão, o Estado sancionou uma lei e editou, ano passado, um decreto estabelecendo o pagamento dos 50% do IPVA de 2014, referentes ao desconto que foi declarado inconstitucional, em quatro parcelas, sendo que a primeira venceu no dia 23 de janeiro deste ano. Por isso, a Fetranspor ajuizou uma ação ordinária e obteve uma tutela de urgência provisória na 1ª instância.

Na decisão, o presidente do TJRJ destaca a situação de calamidade financeira vivida pelo estado.

“Na atual conjuntura econômica do Estado do Rio de Janeiro, ante a dificuldade financeira que o Estado atravessa, a lesão ao erário se torna ainda mais latente. Vale frisar que o Estado editou inicialmente Decreto para reconhecimento do estado de calamidade financeira (nº 45.692, de 17 de junho de 2016), com a superveniente edição da lei nº 7.483, reconhecendo o estado de calamidade pública no âmbito da administração financeira declarado pelo referido decreto”.

De acordo com o presidente, a manutenção da liminar traz desequilíbrio ao erário.

“Desta forma, o não recolhimento de parte substancial de tributo estadual aos cofres públicos, caso a medida liminar atacada venha a ser mantida, tem o condão de causar grave lesão à economia pública. Por conseguinte, deve-se concluir pela existência de risco de grave lesão à economia pública, com potencialidade para colocar em perigo o equilíbrio das contas públicas a justificar a concessão da contracautela”.

O pedido de suspensão da execução da liminar foi formulado pelo Governo do Estado, através da Procuradoria Geral do Estado (PGE) contra a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor). A liminar havia sido concedida pela 11ª Vara de Fazenda Pública da Capital.

Suspensão de Execução - 0007154-74.2017.8.19.0000
Processo original - 0016206-91.2017.8.19.0001