quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Holandesa DAF entrega caminhão 2.000 produzido no Brasil.

Fonte: http://estradao.estadao.com.br

Após quase quatro de produção nacional, a DAF supera a marca de 2 mil caminhões produzidos na fábrica de Ponta Grossa (PR). A unidade de número 2.000 foi entregue pela concessionária DAF Barigui para a transportadora Transgobbi, de Araquari (SC). O modelo é um XF105 6×4 2017/2018 com motor de 510 cv e cabine Super Space, a mais espaçosa da linha.

A Transgobbi atua há mais de 30 anos no transporte de carga e presta serviços a diversas operações, em especial ao setor siderúrgico. Na frota diversificada constam carretas, composições bitrem e rodotrem, além de caminhões trucados. Da marca DAF a empresa tem 15 unidades.

Novata no Brasil, a DAF completará quatro anos de produção no país em outubro. Seu complexo industrial no paraná produz todas as versões dos caminhões XF105 e CF85, além de motores de 360 cv a 510 cv. A fábrica consumiu R$ 1 bilhão para produzir 10 mil unidades por ano, volume que esperava atingir em 2018. A crise, no entanto, adiou os planos. O aumento na produção ocorre de acordo com a demanda do mercado. No ano passado, quando completou três de atividade, a companhia passou a produzir quatro unidades por dia. Um ano antes, montava apenas duas.

A DAF é uma das poucas montadoras a colher resultados positivos na atual crise do mercado interno. Enquanto as vendas janeiro a julho de caminhões pesados – categoria na qual a companhia atua – caiu 3,2%, para 9.127 unidades, a fabricante do Paraná vendeu no mesmo período 453 caminhões, alta de 22,8% sobre o ano passado.

“Já são quase dois mil caminhões DAF circulando por todo o Brasil. Isso mostra o quanto a marca vem crescendo a cada ano e como estamos conquistando o nosso espaço entre os tradicionais players do mercado”, resume Luís Gambim, diretor comercial da DAF Caminhões Brasil. “Mesmo na crise seguimos aumentando nossa participação no segmento e ampliando nossas vendas.”

“O ano de 2017 será mais um ano de crescimento da DAF, certamente acima de 30% com relação a 2016”, avalia Luís Gambim, diretor comercial da fabricante. “Acredito na retomada do mercado e não tenho dúvida que chegaremos em 2020 com 20.000 caminhões emplacados.”

Os treze grupos que hoje operam a rede de atendimento da DAF já investiram R$ 200 milhões na formação da atual composição, de 21 concessionárias e sete postos de serviços. Agora, com aporte de R$ 2 milhões o grupo Somafértil abrirá a 22ª concessionária em Uberlândia para atender toda a região do triângulo mineiro. Também os grupos Via Trucks, de Minas Gerais, e Caiobá, do Mato Grosso do Sul, estão investindo R$ 4 milhões e R$ 8 milhões, respectivamente, em mudanças para instalações maiores e melhor localizadas.


Ao mesmo tempo a montadora estabelece parcerias para homologar Postos de Serviço Autorizado em Duque de Caxias (RJ), Recife (PE) e em Ji-Paraná (RO). De acordo com a fabricante, os locais contam com equipe treinada pela DAF e contam com ferramentais e estoque de peças da marca. “Esta expansão faz parte do nosso plano de negócios. Atualmente cobrimos 85% do território nacional e, assim, conseguimos atender as principais rotas de nossos clientes”, conta Adcley Souza, diretor de desenvolvimento de rede da montadora. “Até 2022 dobraremos o número de concessionárias no País.”

Resultado de imagem para daf caminhões

MAN revisita a década de 80 com edição limitada dos Volkswagen 6.80, 11.130 e 13.130.

Fonte: http://estradao.estadao.com.br

A MAN Latin America recorreu às suas origens para lançar uma série histórica de produção limitada baseada nos primeiros modelos de sua trajetória. Os Volkswagen 6.80, 11.130 e 13.130 reaparecem em uma série histórica embalados com oferta a tecnológica de hoje.

Os atuais Delivery 8.160 e Worker 13.190 ganharam o visual da década de 1980, com pintura amarela da época, banco de vinil preto, rodas pretas sem calota, protetor de porcas e para-choques e para-barros pretos.

“São caminhões que farão o motorista viajar no tempo, mas sem abrir mão de evoluções tecnológicas, tais como a motorização”, diz João Herrmann, gerente de marketing da companhia. “A ideia é unir passado e presente numa homenagem aos precursores dos caminhões mais vendidos no Brasil.”

As novidades da fabricante de Resende (RJ) ganharam o site www.man-la.com/seriehistorica exclusivo para obter informações e encomendar os modelos. Os pedidos deveriam ser feitos até 31 de agosto.

A montadora ainda convida os clientes a divulgarem nas redes sociais da empresa lembranças que viveram a bordo dos caminhões. As melhores histórias serão transformadas em vídeo e, posteriormente, em um livro impresso em lona de caminhão.

Mercedes-Benz investirá R$ 2,4 bilhões no Brasil.

Fonte: http://estradao.estadao.com.br

A Mercedes-Benz iniciará novo ciclo de investimento de R$ 2,4 bilhões para o período de 2018 a 2022. De acordo com a empresa, o valor servirá para dar continuidade à modernização das fábricas de caminhões e ônibus de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) em direção ao conceito Indústria 4.0, como também aperfeiçoar a atual linha de veículos comerciais e desenvolver novos produtos e tecnologias em serviços e conectividade.

Segundo o presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, Philipp Schiemer, o novo aporte tem como objetivo preparar a empresa para atender às futuras demandas dos clientes e do segmento de transporte, como também promover aos negócios da empresa eficiência, rentabilidade e competividade.

“Atualmente, está sendo aplicado um investimento de R$ 730 milhões até 2018 com foco na modernização das duas fábricas, sendo R$ 500 milhões em São Bernardo do Campo e R$ 230 milhões na planta de Juiz de Fora”, lembra Schiemer. “Antes de concluir esse ciclo atual, a Mercedes-Benz se antecipa e já anuncia esse novo aporte, como forma de acompanhar as tendências do transporte e as solicitações dos clientes nos próximos anos.”

Também outros R$ 70 milhões adicionais se destinam à construção de um campo de provas para o desenvolvimento de caminhões e ônibus na cidade de Iracemápolis (SP), ao lado da fábrica onde a companhia produz automóveis. O empreendimento deverá ser inaugurado no primeiro semestre do ano que vem.

“Com esses novos investimentos, a empresa se prepara para a esperada recuperação do mercado brasileiro que, apesar de ainda lenta e dos baixos volumes de vendas, tem forte potencial futuro para os negócios de veículos comerciais,” resume Schiemer. “Acreditamos também na evolução do mercado externo, que tem realizado renovação e ampliação de frota com produtos Mercedes-Benz fabricados no Brasil.”

MAN VOLKSWAGEN DELIVERY 2018.

Fonte: www.blogauto.com.br

Além do visual mais moderno e dos diversos aprimoramentos para melhorar o conforto e dirigibilidade, por exemplo; a nova geração da família Volkswagen Delivery 2018 passa a contar também com novos recursos para reduzir o consumo de combustível. Segundo a marca, o modelo traz novos materiais que resultaram numa redução de peso de 10% no powertrain em relação à geração anterior.

Os novos modelos são dotados de aços de alta resistência e menor espessura e também plásticos de engenharia de última geração. Além de maior eficiência, essas alterações provocam ainda um aumento na capacidade de carga em ao menos 4.700 kg em relação aos modelos antigos.

Na motorização, o ferro fundido por substituído por alumínio na carcaça do volante e da transmissão. Nas versões de 3,5 e 6 toneladas, o peso do conjunto da transmissão teve redução de quase 50% em comparação com o atual Delivery 5.150. Os modelos de 9 e 11 toneladas também estão mais leves em 10 por cento.

Há ainda um novo “boné” na parte superior da dianteira da carroceria do caminhão; com o uso dos plásticos Cycoloy de última geração. Esse novo componente é mais leve (3,1 kg contra os 7,2 kg da geração anterior) e mais resistente a variações climáticas. O Delivery Express traz travessas estruturais em alumínio, algo inédito no mercado.

Por dentro, há revestimentos em fibras orgânicas com 90% de sua composição reciclável (com peças e partes em aço e plástico polipropileno); pedais com plásticos de engenharia ao invés de aços (mais leves em 30%); aços de alta resistência; bancos feitos em tecido de alta resistência e hidro-repentes, que não mancham, entre outros.

Por fim, os caminhões Delivery 2018 se sobressaem por equipamentos mais resistentes; como a lente de policarbonato do bloco ótico com proteção máxima contra batidas e pedras. Há também lanternas de posições laterais; indicadores de direção laterais e delineadoras com tecnologia em LED.

Volkswagen Delivery 2018 13.180
Bancos do Volkswagen Delivery 2018

e-Delivery, o elétrico da MAN Volkswagen Caminhões.

Fonte: http://estradao.estadao.com.br

Em evento de tecnologia, o Innovation Day, promovido pela Volkswagen Truck & Bus, holding da MAN, em Hamburgo, na Alemanha, na quarta-feira, 12, a operação brasileira lançou o primeiro caminhão 100% elétrico desenvolvido no Brasil, o e-Delivery.

O modelo, da categoria leve, foi pensado para as aplicações de distribuição urbana de carga e iniciará operações em frotas de clientes da montadora a partir do ano que vem. O trem de força, desenvolvido em parceria com a Eletra, empresa nacional de São Bernardo do Campo (SP), traz motor elétrico da WEG com 80 kW, equivalente a 109 cv, com torque de 493 Nm associado a uma caixa de transmissão automática da Allison.

Segundo a Eletra, o conjunto foi desenvolvido para possibilitar o trânsito em diferentes condições. O e-Delivery pode, por exemplo, partir de rampas com inclinação de até 25◦ graus e subir em ruas de até 30◦ graus.

Para alimentar o motor, as baterias são de íon-lítio que permitem recargas rápidas de até 30% da capacidade em 15 minutos, ao longo da rota do veículo, ou recargas longas de 100%, em três horas. A autonomia, a depender da aplicação e da configuração do caminhão, é de até 200 km. O e-Delivery será ofertado nos modelos para 9 ou 11 toneladas de PBT, Peso Bruto Total.

“O e-Delivery representa um marco na história da Volkswagen Caminhões e Ônibus. Trata-se de uma plataforma totalmente nova, desenvolvida no Brasil, na busca de alternativas de mobilidade nas cidades”, destaca Roberto Cortes, presidente e CEO da MAN Latin America. “Ele (o caminhão) insere, definitivamente, a engenharia brasileira na rota global de tecnologia.”

O novo caminhão incorpora também tecnologia de freio regenerativo, possibilitando a recuperação de até 30% da energia das baterias antes do acionamento do freio mecânico das rodas. Ao mesmo tempo, o sistema Eco Drive Mode permite economizar a energia ao ajustar a demanda de corrente das baterias de acordo com o peso e as condições da carga.

Os sistemas de ar-condicionado e as bombas de água e direção também funcionam com motores elétricos, porém, independentes do sistema de tração. Eixos, suspensão, chassis, rodas e pneus são os mesmos da nova linha Delivery, compartilhando componentes comuns com a plataforma.

O resultado, segundo a Volkswagen Caminhões e Ônibus, é um veículo leve, versátil, com emissão zero de gases poluentes e do efeito estufa, além de baixíssimo nível de ruído.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Nilopolitana compra novos GranVia com ar condicionado e novo elevador.

Fonte: http://www.grupobsg.org

Assumindo em definitivo a ligação entre a Nilópolis e a Barra da Tijuca, através da operação da linha 420T, a Nilopolitana realizou investimento em ônibus novos e mais espaçosos, ofertando aos clientes 48 assentos. 

Os veículos são do modelo GranVia, da montadora Mascarello, e foram montados com chassi Mercedes-Benz de suspensão pneumática, que dão ao passageiro maior conforto durante a viagem pela reduzida transmissão de impacto das ruas para o interior do salão.

Além de refrigerados, eles também possuem plataforma semi-automática para acesso de cadeirantes, com área reservada à eles como também poltronas reservadas e balaústres tácteis, em atenção à outras modalidades de deficiência. Para auxilio do condutor, circuito de imagem transmite ao vivo o desembarque dos passageiros, com câmera posicionada em direção da porta traseira.

Marcopolo confirma homologação da SPTrans para New Torino midi.

No dia 03 de outubro a Marcopolo divulgou que foi confirmada pela SPTrans, gerenciadora do sistema de ônibus da capital paulista, a homologação para comercialização definitiva do ônibus modelo New Torino do tipo midi, veículo curto e menor que os ônibus convencionais, indicado principalmente para serviços alimentadores.

Com a aprovação do padrão SPTrans no midi da marca, a Marcopolo quer ampliar sua participação no segmento de urbanos na capital paulista, que hoje é muito pequena. O alvo é o subsistema local composto por linhas entre bairros e alimentadoras, operadas por empresas que surgiram a partir de cooperativas de transportes a partir de 2014.

Além do modelo ser indicado para serviços destas regiões, a meta da Marcopolo no subsistema local se dá pela maior independência dos operadores em relação ao grupo Ruas, o maior proprietário da Caio, outra encarroçadora de ônibus, e que hoje atua em maior parte do subsistema estrutural, responsável pelas linhas maiores com ônibus de porte grande e que vão até a região central da cidade.

Durante lançamento do modelo Torino S, uma simplificação do New Torino que continua sendo produzido, o gerente de operações comerciais da Marcopolo, Paulo Corso, disse ao site Diário do Transporte, que a estimativa é de vender em torno de 100 unidades do modelo somente neste ano e no início do ano que vem. Relembre:

A empresa A2 Transportes, que surgiu da Cooper-Líder e opera em parte da Zona Sul de São Paulo, foi uma das primeiras a comprar o modelo.

Em nota, a Marcopolo relata algumas características do veículo curto, que tem ar-condicionado, vidros colados, 9,6 metros de comprimento e capacidade para 53 passageiros entre sentados e em pé.

Com 9.600 mm de comprimento total, o Torino padrão SPTrans proporciona melhor equilíbrio operacional com relação à quantidade de passageiros transportados, e é um veículo ágil para aplicações em centros urbanos e em terrenos acidentados. O modelo conta com vidros colados, dispositivo para evitar a abertura da ventarola, tomadas para o carregamento de equipamentos eletrônicos em todas as poltronas e iluminação interna e externa em LED. 

Tem ainda um novo sistema de ar-condicionado, desenvolvido especialmente, que consiste em dutos de ar que propiciam equilíbrio térmico em todo o seu interior, inclusive para o motorista.

Com capacidade para transportar 53 passageiros, o Torino possui espaço reservado para cadeirantes, sistema de bloqueio que impede o deslocamento do veículo com as portas abertas, preparação para inclusão de elevador para cadeirantes e preparação para receber painéis eletrônicos, microcâmeras, rastreador e sistema de áudio para música ambiente.

Na mesma nota, o consultor de operações comerciais da Marcopolo, Leandro Sodré, confirma o que o Diário do Transporte já havia apurado anteriormente: a intenção da empresa em ampliar o mercado no sistema SPTrans.

“O processo de homologação é bastante longo, com muitos detalhes e o padrão SPTrans representa um dos mais rígidos e importantes do Brasil. A cidade tem a maior frota do País, com cerca de 15 mil unidades, e esta homologação abre muitas oportunidades de negócio. Além do Torino, temos também o modelo de micro-ônibus Senior homologado”

Tonte: https://diariodotransporte.com.br/, por Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Resultado de imagem para torino homologado sptrans

COESA compra New Torino com ar condicionado.

Fonte: http://www.grupobsg.org

A Coesa - Companhia de Ônibus Encontro s/a está renovando a sua frota de serviço regular, que atende ao transporte de passageiros entre São Gonçalo e Rio de Janeiro, com 25 ônibus Marcopolo New Torino refrigerados e que foram montados sobre chassis com suspensão pneumática, o que dá maior conforto ao cliente devido à reduzida transmissão de impacto da via para o salão. 

Eles possuem tecnologia Euro 5, que os faz mais ecológicos do que os veículos que serão substituídos, devido ao seu menor índice de emissão de gases poluentes. Os ônibus possuem 36 poltronas e são acessíveis à cadeirantes por uso de elevadores, além de contarem com toda a sinalização e áreas reservadas para outras modalidades de deficiência.