sexta-feira, 14 de julho de 2017

Flores e Real Rio compram mais Caio Apache Vip IV com ar condicionado.

Fonte: http://www.folhaverdejal.com.br

Renovar a frota regularmente é estratégia fundamental para garantir a qualidade do serviço prestado, para oferecer aos motoristas e cobradores ferramentas cada vez mais modernas de trabalho, bem como um compromisso das transportadoras com o poder público e com a população.

Nos últimos anos, o Grupo JAL tem empreendido esforço redobrado para cumprir com seu planejamento de aquisição de novos veículos. Porém, adversidades como a crise econômica e política pela qual passa o País e a violência urbana têm dificultado a renovação da frota.

A crise, que causou recessão e desemprego, tem afetado todos os setores produtivos, e no caso dos transportes públicos, gerando uma perda acentuada de passageiros. A violência, além do medo gerado em toda população, está atingindo diretamente as empresas de ônibus, que vêm tendo seus veículos incendiados e depredados, provocando perdas financeiras, sociais e psicológicas extremamente graves e prejudicando o serviço com a diminuição do número de ônibus.

Para tentar equilibrar a saúde financeira das empresas do Grupo, algumas medidas de adequação a esta nova realidade têm sido necessárias. O momento é delicado e impõe às organizações e empresas brasileiras corte de custos, bem como consumo reduzido de material, energia, entre outros. A compra de novos ônibus se faz primordial para garantir economia com a manutenção de veículos antigos e principalmente para evitar mais perdas no número de passageiros.

Assim, o Grupo JAL precisou buscar financiamentos mais longos para a aquisição de novos veículos e melhores ofertas na venda dos veículos antigos. Acreditamos na recuperação da economia a partir de 2018 o que deverá nos trazer fôlego novo para cumprir com esse compromisso e garantir o bom funcionamento das empresas, bem como os empregos de tantos trabalhadores. Nesta fase difícil para todos, a compreensão, união e parceria são fundamentais.

Entre julho e dezembro deste ano, a Flores receberá 75 novos ônibus Mercedes Benz, com carroceria Caio e todos com ar condicionado. Os novos veículos entrarão em operação gradualmente, nas linhas: 715L Jardim Redentor x Cascadura, 713L Cosmorama x Cascadura, 734L Vila Norma x Cascadura e 720I Madureira x Parque Novo Rio. Já a Real Rio receberá outros 45 carros que serão alocados nas linhas 739P Seropedica x Campo Grande, 712L Seropedica x Coelho Neto e 442L Itaguai x Coelho Neto.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Polícia Civil fiscaliza ônibus na garagem da São Silvestre.

Fonte: http://g1.globo.com

A Polícia Civil realizou uma operação na garagem da Transportes São Silvestre na manhã desta terça-feira (04/07), para verificar as condições dos ônibus que circulam nas linhas operadas pela empresa, atuante na Zona Sul e Centro da cidade do Rio de Janeiro.

Os agentes encontraram irregularidades em 74 ônibus, segundo o delegado da Delegacia do Consumidor (Decon). Peritos Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) e agentes de pelo menos duas delegacias estão na garagem da empresa para conferir se os veículos têm condições de circular e fazer o transporte de passageiros.

De acordo com o delegado Ricardo Barbosa, titular da Delegacia do Consumidor, alguns problemas já foram encontrados, como problemas de acessibilidade, no estado do veículo e problemas nos pneus.

Como noticiou o Jornal Bom Dia Brasil, nenhum ônibus chegou a sair da garagem da empresa, no Santo Cristo. Investigadores dizem que os ônibus da empresa não possuem a licença anual do Detran, porque não fizeram a vistoria obrigatória, e também não tem os documentos exigidos pela Secretaria Municipal de Transportes para rodar.

A Transportes São Silvestre é integrante do Consórcio Intersul, sendo responsável por cerca de 10 linhas de ônibus que fazem o trajeto entre o Centro e a Zona Sul.

A investigação, que acontece há pelo menos dois meses, de acordo com Barbosa, não está diretamente vinculada à Operação Ponto Final, da Polícia Federal.

“São situações distintas, mas que podem se cruzar. Nossa investigação acontece desde antes da ação da Polícia Federal. Essa ação visa a prestação de serviços de maneira adequada, com foco no consumidor”, esclareceu o delegado Ricardo Barbosa ao G1.

Agentes da Delegacia de Serviços Delegados (DDSD) também participam da ação. O delegado titular da DDSD, Pablo Sartori, explicou que , com a São Silvestre, já são seis as empresas de ônibus vistoriadas.

"Recebemos há alguns meses um pedido do Ministério Público para fiscalizarmos as empresas de ônibus e, diante disso, começamos a ação indo a uma empresa por semana", explicou o delegado.

Ao fim da vistoria, um perito emitirá um laudo sobre o que foi encontrado e o delegado fará um relatório final, que será devolvido ao Ministério Público.

"Da frota da São Silvestre, 74 ônibus foram analisados como sem condições de circulação e foram retirados pela empresa. Isso traduz em uma quantidade de ônibus menor nas ruas e veículos mais cheios para a população", destacou o delegado Ricardo Barbosa.

Em nota, a Viação São Silvestre informou que nenhum ônibus da empresa foi lacrado ou apreendido durante a ação da Polícia Civil. A empresa reforçou que a frota circula normalmente, sem prejuízo aos passageiros.
Resultado de imagem para transportes são silvestre
Foto meramente ilustrativa.

domingo, 2 de julho de 2017

Jacob Barata Filho, dono do grupo Guanabara, é preso pela Polícia Federal.

Fonte parcial: http://g1.globo.com

A Polícia Federal prendeu, na noite deste domingo (02/07), Jacob Barata Filho, um dos maiores empresários do ramo de ônibus do Rio de Janeiro, um dos donos do Grupo Guanabara. Ele foi preso no Aeroporto Internacional Tom Jobim, pela Força Tarefa da Lava Jato, enquanto tentava embarcar para Lisboa.

O empresário já estava na área de embarque. O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, com base em investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal que encontraram indícios que o empresário pagou milhões de reais em propina para políticos do Rio.

A Polícia Federal estava monitorando o empresário e antecipou a prisão, que aconteceria nos próximos dias, quando foi informada que Jacob embarcaria para Portugal com passagem só de ida.

O Grupo Guanabara é um dos maiores grupos do ramos de transportes coletivos do país, com atuação no Rio de Janeiro, Ceará, São Paulo e Pará, possuí também concessionárias de caminhões e ônibus além de um banco, que leva o nome do grupo.

O grupo atua também em Portugal onde é proprietário das empresas de ônibus Scotturb e Vimeca/Lisboa Transportes, além de ser proprietário da rede hoteleira Fênix, com sete hotéis em Portugal.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Mega Plus semi-novo, sem ar condicionado, da Transportes Paranapuan.

Fonte: http://www.grupobsg.org

A Transportes Paranapuan protagoniza um momento de reestruturação de sua frota, mas infelizmente vem investimento apenas na compra de ônibus semi-novos, e sem ar condicionado, o que a meu sentir, deveria ser vetado pela Prefeitura Municipal.

Desta vez a empresa comprou algumas unidades de Neobus Mega Plus, montados sobre chassis: OF-1721 da Mercedes-Benz, oriundos da Viação Verdun e da Transurb.

Premium Auto Ônibus passa a pertencer à Expresso Recreio.

Fonte parcial: http://ocdholding.com

A Expresso Recreio, empresa integrante do Grupo Guanabara, com participação societária da Expresso Pégaso, adquiriu a Premium Auto Ônibus, empresa que até então pertencia à Real Auto Ônibus.

Assim como a Recreio, a empresa comprada é atuante no transporte em linhas executivas, e integra simultaneamente os consórcios Transcarioca, Intersul e Internorte, operando linhas que inclusive atuam nos dois aeroportos da capital carioca.

Nesse fim de semana, os carros da Premium foram para a garagem da Recreio em Guaratiba para a preparação dos veículos para estrearem brevemente em algumas linhas da empresa como a 2329 e 2333. Serão 27 carros da Premium nas linhas da Recreio.

A Expresso Recreio, que comemorou na semana passada 3 anos de operações, é uma das empresas que mais se expande no estado do Rio. Com a aquisição da Premium, a empresa passa a ter a maior frota rodoviária entre as empresas do município do Rio de Janeiro.

Recentemente, por determinação do Detro, a empresa passou a operar suas primeiras linhas intermunicipais convencionais, oriundas da Expressa Mangaratiba.

IMG-20170612-WA0003
IMG-20170612-WA0001
IMG-20170612-WA0000

Linhas de ônibus da cidade do Rio voltarão a ser identificadas só por números.

Fonte: http://odia.ig.com.br

A atual forma de comunicação dos trajetos dos ônibus, que deixa muitos cariocas e turistas confusos, está com dias contados. Os nomes “troncal” e “integrada”, criados durante a chamada racionalização, implantada pela gestão passada da prefeitura, serão eliminados. A decisão será determinada em breve pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) em resolução. As linhas extintas, modificadas e criadas na ocasião também estão sendo revistas. Terão prioridade nesta revisão as que ligam a região da Penha e Olaria ao Centro, Rio Comprido e Zona Sul, que foram encurtadas ou extintas e alvos das maiores reclamações. 

Os resultados da revisão dos percursos serão entregues ao prefeito Marcelo Crivella ainda este mês e as datas das mudanças serão anunciadas posteriormente. Na tentativa de melhorar a comunicação ao passageiro, o letreiro principal dos coletivos passará a indicar o número e o destino da linha de forma fixa, sem ficar mudando a mensagem. Segundo a SMTR, o objetivo é não confundir o usuário, como vem acontecendo desde o início do reordenamento.

Muita gente não sabe, mas cada linha troncal e integrada possui um número correspondente, que vai aparecer no letreiro acompanhado do destino, sem as inscrições como ‘TRO1’ ou ‘TRO 02’. Os números terão três digitos e começam com 1, no caso das troncais e com 5, nas integradas. (veja os números correspondentes no quadro ao lado). Troncais são linhas que percorrem os principais corredores da cidade, como Aterro do Flamengo e Túnel Santa Bárbara. As integradas circulam entre a Zona Oeste e a Zona Sul.

As novas mudanças serão escalonadas em etapas de acordo com as alterações de linhas mais reclamadas. Uma das campeãs de queixas foi a redução do trajeto da antiga 484 (Olaria-Copacabana), que virou a 284 (Olaria-Centro). Agora, a prefeitura estuda qual o melhor itinerário para restabelecer essa ligação Olaria-Copacabana.

Diferentes bancos de dados são considerados para analisar as demandas dos usuários: pesquisas de quantidade de passageiros realizadas na época da reestruturação das linhas, ouvidoria, pesquisa nas ruas e mapeamento da movimentação dos sinais de celulares para observar deslocamentos da população.

Semanalmente, equipes itinerantes da pasta vão a pontos finais e terminais com maior movimentação de pessoas. Pesquisas registrando as demandas dos passageiros já foram realizadas em bairros das zonas Sul e Norte. Na quarta-feira, o vice-prefeito e secretário municipal de Transportes, Fernando Mac Dowell, foi à Penha ouvir a população no terminal de ônibus da Avenida Lobo Júnior, por onde circulam as linhas 483, 497 e 498, que seguem da Penha para Copacabana e Laranjeiras.

"Uma das premissas é melhorar a comunicação das mudanças para os usuários do serviço de ônibus, tendo em vista que uma das maiores reclamações diz respeito às mudanças demasiadamente rápidas, não dando chance para que a população acompanhasse o processo”, explicou o órgão em nota. A secretaria destaca ainda que se trata de um trabalho complexo, tendo em vista as mais de 450 linhas de ônibus da cidade, as modificações viárias do Centro e as dificuldades em compilar inúmeros dados com diversas variáveis em questão.

Durante a implantação do projeto de racionalização dos ônibus que cortam a Zona Sul, 25 linhas foram criadas, 26 modificadas e 51 extintas. O processo começou em outubro de 2015 e foi até o primeiro trimestre de 2016, seguido de ajustes operacionais. Cerca de 700 coletivos foram retirados das ruas, segundo a gestão anterior da prefeitura.

A chamada racionalização das linhas acumulou reclamações sobre o aumento da necessidade de baldeações, mas retirou ônibus das ruas e melhorou o trânsito, principal objetivo da mudança. Último balanço da SMTR de 2016 mostrou redução de 9,2% do volume diário de ônibus no BRS Nossa Senhora de Copacabana e de 15,6% na Barata Ribeiro.

No Centro, a queda foi ainda maior no eixo entre a Presidente Antônio Carlos e Primeiro de Março: 20,5%, com ganho de tempo de percurso de 22,8%. Ou seja, a velocidade média dos coletivos passou de 9,2 km/h para 11,3 km/h. Com isso, o veículo que antes levava 6 minutos e 37 segundos para atravessar o eixo Presidente Antônio Carlos-Primeiro de Março passou a levar 5 minutos e 20 segundos.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Desembargador derruba decisão que deferiu o reajuste da passagem de ônibus na cidade do Rio.

Notícia publicada em: http://www.tjrj.jus.br

O desembargador Edson Aguiar de Vasconcelos, da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), suspendeu nesta quinta-feira, dia 1º, a liminar que autorizava o reajuste da tarifa modal do Bilhete Único Carioca de R$ 3,80 para R$ 3,95.

Os quatro consórcios que exploram as linhas de ônibus do município (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca) haviam obtido o reajuste no dia 25 de maio junto à 15ª Vara da Fazenda Pública do Rio, o que levou o município do Rio de Janeiro a apresentar o recurso.

“Defiro o pedido de concessão liminar de tutela recursal para determinar a imediata suspensão da decisão recorrida, a fim de que a tarifa do Serviço Público de Transportes por ônibus (SPPO) seja restabelecida no valor de R$ 3,80 (três reais e oitenta centavos), até decisão final deste recurso”, escreveu o magistrado.

Na decisão, o desembargador considerou que a concessão do reajuste causaria prejuízos irreparáveis os usuários de ônibus.

“Esta decisão não pode tardar, pois a majoração tarifária concedida pela decisão recorrida resultará irreversível para os usuários, os quais não terão reembolso do que vierem a pagar na hipótese de a ação proposta pelos autores for julgada improcedente a final”, justificou.

Agravo de Instrumento nº 0028213-21.2017.8.19.0000

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Liminar autoriza reajuste das passagens de ônibus no Rio para R$ 3,95.

Notícia publicada em: http://www.tjrj.jus.br/

A juíza Roseli Nalin, titular da 15ª Vara da Fazenda Pública do Rio, concedeu liminar autorizando o reajuste da tarifa modal do Bilhete Único Carioca para R$ 3,95. Na decisão, a magistrada destaca que a prefeitura não estava cumprindo o contrato de concessão firmado com os quatro consórcios que exploram as linhas de ônibus do município (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca), que previa o reajuste. A decisão tem caráter provisório e ainda cabe recurso.

“Concedo liminarmente a tutela de urgência deprecada na inicial para determinar ao município que cumpra o contrato de concessão, com a implementação do reajuste do valor da Tarifa modal do Bilhete Único Carioca - BUC para utilização no Serviço Público de Transporte de Passageiros por Ônibus do Município do Rio de Janeiro no valor de R$ 3,95 (três reais e noventa e cinco centavos), conforme decidido anteriormente pela Administração Municipal, a partir do décimo primeiro dia posterior ao da data de sua intimação”.

Ela também estabeleceu prazo de dez dias, para a prefeitura comunicar aos usuários e à população, antes da efetivação da cobrança da nova tarifa.

“Deve o Município informar aos usuários e à população acerca do valor reajustado da tarifa ao longo de 10 dias antes do início da sua efetiva cobrança, bem como informe que o aludido reajuste da tarifa está sub judice”.

A ação foi movida pelos quatro consórcios (Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca), que alegaram que vêm sendo prejudicados pela conduta da prefeitura, através da ampliação na concessão de gratuidades, do congelamento do reajuste entre 2012 e 2014 e pela autorização de circulação de vans em itinerários coincidentes aos percorridos pelas linhas de ônibus.

“O reajuste de preços em conformidade com o que estabelece o contrato é medida de segurança jurídica e boa-fé da Administração, sendo sua omissão verdadeira revelação de certo desprezo com as regras estabelecidas, reduzindo artificialmente o valor da tarifa por intermédio da inércia e do congelamento do preço”, destacou a juíza na decisão.

A Prefeitura do Rio informou que recorrerá da decisão judicial assim que for notificada.

Processo No 0095493-06.2017.8.19.0001