sexta-feira, 22 de março de 2013

Feital chega ao fim da linha.


Fonte parcial: http://extra.globo.com

Única empresa pirata oficialmente reconhecida no Rio de Janeiro, a Viação Padre Miguel, antiga Feital, parece ter chegado ao fim da linha hoje de manhã. A Secretaria Municipal de Transportes apreendeu nove ônibus da linha 875 (Campo Grande-Cascadura), a única operada pela velha Feital, em uma operação montada em três pontos da cidade: Marechal Hermes, Cascadura e Campo Grande. Dentre os veículos recolhidos, havia dois trafegando sem se submeter a vistorias há mais de uma década.

As blitzes foram organizadas a partir de denúncias publicadas pelo Extra Online mostrando que a companhia operava coletivos sem vistoria há, pelo menos, dois anos. A barreira montada em Cascadura foi chefiada pelo próprio secretário Carlos Roberto Osório. De acordo com ele, a operação apreendeu 90% da frota da Feital/Padre Miguel.

A empresa era a única a não participar dos quatro consórcios que venceram a licitação realizada em 2010 para exploração das linhas de ônibus e, teoricamente, estaria excluída da operação. Entretanto, a viação trafegava graças a uma liminar da 3ª Vara da Fazenda Pública e ainda questiona o Detran na Justiça para que seus ônibus circulem sem vistoria, sem licenciamento e sem pagamento de IPVA.

Um dos veículos, de registro 99015 (placa LNC-7205), trafegava sem passar por uma vistoria há 12 anos. Segundo o Detran, o último licenciamento foi feito em 2000. Outro, o 99011 (LNU-4066), está na mesma condição desde 2001. E houve um, o 99001, que estava com a placa adulterada, sem uma das letras.

Os fiscais ainda encontraram um dos ônibus com boa parte de um pneu comido pelo desgaste. Chamada de Fatal pelos passageiros, a Feital foi a responsável pela morte de um homem há três anos. No dia 16 de junho de 2010, um veículo da linha 875 perdeu duas rodas na Avenida Santa Cruz, em Santíssimo, e uma delas atingiu e matou o aposentado Antônio Pinto da Silva Filho, de 55.

- Esta operação foi um grande sucesso. Praticamente paramos a Feital - comemorou o secretário. - Antes de pararmos os ônibus, fomos atrás deles de carro para localizá-los. Paramos nove ônibus, todos irregulares no sentido de conservação, documentação, vistoria e péssimo estado de uso. Rebocamos todos. Decidimos não lacrarmos a frota porque a experiência mostra que as empresas cortavam os lacres e botavam os ônibus para rodar dez minutos depois.

Para dar conta do recado, a secretaria utilizou todos os reboques superpesados.

- Usamos toda nossa frota de superpesados e estamos verificando se sobrou algum ônibus da Feital. Pegamos sete ônibus em Cascadura, dois em Campo Grande e um fugiu. Estamos verificando se sobrou mais algum - contou Carlos Roberto Osório.

De lambuja, ainda foram apreendidos cinco micro-ônibus da Andorinha, do Consórcio Santa Cruz. De acordo com Osório, funcionários da Feital teriam intimidado fiscais da secretaria na semana passada, em carros com película negra nas janelas. Para garantir a segurança da operação, o secretário requisitou o apoio da Polícia Militar:

- Não apareceu um diretor da empresa para se justificar, exceto um despachante, mas teve um carro descaracterizado rondando a nossa operação. Como estávamos com a PM porque isso já havia nos acontecido, não aconteceu nada e eles foram embora quando íamos pará-los.

Para evitar que a Feital/Padre Miguel volte às ruas, Carlos Roberto Osório oridentou que a secretaria seja informada caso haja uma tentativa de retirar os ônibus dos dois depósitos públicos para onde foram levados.

- Pedi que nos informem sobre se tentarem liberar esses ônibus para que a gente também vá ao Detran, para que não retornem às ruas da noite para o dia - disse Osório.

Hoje à tarde, os consórcios Santa Cruz e Internorte serão chamados para apoiar os trajetos cobertos pelo 875 e, na segunda-feira, a linha deverá ser substituída por itinerários dos dois grupos.

- A denúncia do Extra Online era pertinente porque eles prestavam um péssimo atendimento. Optamos por realizar a operação numa sexta-feira para termos o fim de semana para os ajustes necessários e para não prejudicar os usuários. Vamos ver quais linhas regulares da Santa Cruz e do Internorte correm ali para repôr o trecho sem cobertura. Outra opção e o trem, já que a 875 praticamente corria paralela à via férrea - afirmou o secretário de Transportes.


Olha que essa semana a empresa botou a raridade abaixo, fabricada em 1997 para rodar:



Fotos da garagem da empresa:


Um comentário:

Aladim Sá disse...

Pergunta: Esses ônibus já estão de volta as ruas do Rio de Janeiro? Os que rodam em Itaguai tambem parou de rodar?